Foguetes, estampidos de motores de automóveis e bandeiras portuguesas de todos os tamanhos deram hoje som e cor a uma gigantesca caravana de celebração de adeptos timorenses, que percorreu Díli depois da vitória da seleção portuguesa no Qatar.

Praticamente assim que o jogo contra a Suíça terminou começaram a ouvir-se em vários pontos da cidade os sons de milhares de motas e carros que progressivamente se foram unindo formando uma gigantesca caravana que percorreu a cidade.

“Viva Portugal. Viva Portugal. Porto, Porto”, diziam alguns, numa versão reduzida do nome do país que a maioria da população timorense parece apoiar no Mundial de 2022.

Apesar da polícia estar em força nas ruas, procurando garantir que os adeptos respeitavam as regras de trânsito – dezenas foram multados depois de celebrações idênticas noutros jogos – muitos timorenses saíram às ruas para celebrar.

Em alguns locais chegaram mesmo a lançar-se foguetes, com as redes sociais inundadas por mensagens de parabéns a Portugal que têm marcado parte da agenda mediática desde que o Mundial começou.

A dimensão da longa caravana viu-se nas principais avenidas da cidade, incluindo a Avenida de Portugal, com grupos cada vez maiores a juntarem-se para formar uma enorme coluna com veículos, dominados pelas bandeiras portuguesas.

Tudo sobre o Mundial2022: jogos, notícias, reportagens, curiosidades, fotos e vídeos

Em algumas motas via-se as duas bandeiras, de Portugal e de Timor-Leste, sendo claramente dominantes as portuguesas, seja penduradas seja nas costas dos motoristas ou dos ‘penduras’.

A caravana foi hoje uma quase demonstração da força do apoio à seleção portuguesa, depois de uma caravana de alguma dimensão ter saído às ruas para celebrar a vitória da seleção argentina.

Por trás dessa rivalidade está a outra eterna rivalidade, de Cristiano Ronaldo e de Leonel Messi, traduzida aqui no apoio às seleções de ambos.

Apesar do jogo começar às 04.00 da madrugada, hora local, muita gente não dormiu e a cidade começou o que é um dia feriado – que assinala a invasão indonésia do país em 1975 – em grande festa.

A repetição da festa já está marcada, dizem muitos, para a madrugada de domingo, depois do Marrocos-Portugal.

O SAPO está a acompanhar o Mundial mas não esquece as vidas perdidas no Qatar. Apoiamos a campanha da Amnistia Internacional e do MEO pelos direitos humanos. Junte-se também a esta causa. 

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.