As autoridades do Uganda proibiram hoje os guardas prisionais de utilizar telemóveis durante o Mundial2022, e alertou para a eventualidade de os detidos poderem tirar partido do entusiasmo em torno da competição para fugir.

"O início da Mundial2022 em 20 de novembro de 2022 e o entusiasmo que acompanha a competição podem levar à fuga de detidos", disse em comunicado divulgado hoje o porta-voz do comissário-geral das prisões, Frank Mayanja Baine.

No comunicado, ordena-se que os “funcionários das prisões não se devem apresentar no trabalho com telefones, porque distraem a atenção e interferem no nível de vigilância", e alerta-se para a necessidade de reforçar a segurança nas áreas "onde os presos podem assistir aos jogos".

Fugas em larga escala são comuns nas prisões de Uganda, que geralmente estão sobrelotadas.

Em setembro de 2007, mais de 200 detidos escaparam de uma prisão de alta segurança na região de Karamoja, no nordeste do país.

Em 2006, outros 500 detidos também escaparam de um estabelecimento penitenciário de Arua, na região do Nilo Ocidental (noroeste).

O Uganda tem mais de 6.000 detidos nas suas prisões, de acordo com registos oficiais.

O SAPO está a acompanhar o Mundial mas não esquece as vidas perdidas no Qatar. Apoiamos a campanha da Amnistia Internacional e do MEO pelos direitos humanos. Junte-se também a esta causa. 

Tudo sobre o Mundial2022: jogos, notícias, reportagens, curiosidades, fotos e vídeos

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.