Gonçalo Ramos é o nome do momento. O jovem avançado de 21 anos fez um hat-trick e uma assistência na goleada de Portugal frente à Suíça (6-1), que garantiu a passagem aos quartos de final do Mundial.

Agora, o SAPO Desporto esteve à conversa com quem conhece e acompanhou bem de perto os passos do goleador do Benfica e da Seleção Nacional. Guido Silvestre era treinador-adjunto dos Benjamins B do Olhanense em 2009/10, onde jogava Gonçalo Ramos. Na altura, já se via os traços do jogador de hoje:

"Apenas com oito anos já fazia coisas destas", revelou Guido, que não ficou surpreendido com esta ascensão nos encarnados e na Equipa das Quinas:

"A mim não me surpreende porque ele sempre foi muito disciplinado a nível de treino e muito focado na evolução dele. Já quando era mais novo, sempre trabalhou com muita vontade de progredir, de aprender mais e evoluir. Aquilo que ele está a fazer no Benfica e agora na seleção é fruto do trabalho dele e da competividade", frisou.

Tudo sobre o Mundial2022: jogos, notícias, reportagens, curiosidades, fotos e vídeos

Em 2009/10, Guido já via uma grande espírito competitivo em Gonçalo Ramos: "Nos treinos nunca gostava de perder", frisou, deixando ainda algumas recordações daquele que era um jovem "tímido" antes dos jogos mas "maduro" depois do apito inícial:

"No principio e nos momentos antes dos jogos era um bocadinho tímido na maneira de se exprimir porque dentro do campo parecia ser um jogador maduro. Quando juntávamos as famílias para fazer almoços também era brincalhão", explicou.

Gonçalo Ramos (à esquerda) e Guido Silvestre (à direita)
Gonçalo Ramos (à esquerda) e Guido Silvestre (à direita) créditos: Fotografia cedida por Guido Silvestre

Gonçalo Ramos é conhecido por ser um jogador versátil. Basta ver a evolução em termos de posicionamento que teve no Benfica da temporada passada para este ano. Guido explicou-nos como esta polivalência já vinha desde os tempos do Olhanense:

"Na formação jogava a qualquer posição. Do meio-campo para a frente, tínhamos sempre a preocupação de fazer o jogador rodar por várias posições e ele jogava na esquerda, na direita, com os dois pés, a médio organizador e a ponta de lança. Já era um homem-golo e fazia-os de qualquer maneira. Marcava muito bem penáltis também", referiu.

Depois de brilhar nos oitavos de final e de chamar a atenção de todo o mundo do futebol, chega agora o duelo frente a Marrocos. Ainda não se sabe se Gonçalo Ramos será titular, mas Guido Silvestre não tem dúvidas da importância que o jovem avançado poderá vir a ter para o jogo:

"Penso que, neste jogo, Gonçalo Ramos iria fazer muita falta, porque é um jogador que ali na zona do ponta de lança, fecha muito bem a zona do número seis quando a equipa não tem bola e Marrocos joga muito dessa forma. Para o jogo da seleção, era importante tê-lo a ponta de lança", argumentou.

A verdade é que, até chegar a este patamar e estatuto, o jovem avançado teve de saber esperar, e essa foi uma característica que se manteve transversal no tempo:

"Não se sente pressionado para nada, sabe trabalhar e esperar pelos momentos quando eles tiverem de aparecer. A família que sempre esteve ligada ao futebol de certeza que incutiu essa experiência. A calma que ele tem faz toda a diferença até na qualidade de jogo que ele apresentou no último jogo frente à Suíça", explicou.

Esta foi também uma oportunidade para se traçar o perfil de um jogador que Guido conhece muito bem:

"Ele já disse que tinha como referência o Muller da Alemanha e tem todas as características: um jogador com faro de golo e trabalhador para a equipa. Fazia falta um avançado desse género para Portugal que já há muitos anos não tínhamos. Costuma estar nos sítios certos e é o avançado que se quer. A jogar sem bola faz falta a qualquer equipa. Trabalha muito a dirigir os ataques adversários e a fechar as linhas, pressionando sempre", salientou, deixando ainda a garantia que se trata de um avançado como poucos no atual panorama do futebol mundial.

Na época passada, acabou por jogar numa posição mais longe do golo o que, na ótica do técnico de 49 anos, não tem necessariamente de ser visto como algo negativo:

"Nessas funções também se pode adaptar bem. Sendo um jogador que trabalha bem para a equipa. Jogando com o Darwin também trabalhava muito , mas o Gonçalo fechava melhor o seis e tinha um grande pulmão. Pode jogar em qualquer sistema", esclareceu.

A verdade é que, na presente temporada, Gonçalo Ramos já leva 18 golos em 25 jogos entre o Benfica e a Seleção Nacional, motivos que levam ao natural assédio no mercado de transferências. Guido diz mesmo que o 'pistoleiro' ainda pode render muitos milhões aos cofres dos encarnados:

"Eu acredito que sim. Sendo um jogador humilde e que trabalha muito em prol da equipa, penso que qualquer equipa competitiva gostaria de ter Gonçalo Ramos nas suas fileiras", referiu, expressando ainda os dois principais campeonatos onde vê o jovem avançado a jogar no futuro:

"Para mim, a Liga Inglesa e mesmo a Liga Espanhola. Clubes de top com futebol de qualidade. Por exemplo,  João Félix no Atlético de Madrid foi sub aproveitado e penso que o Gonçalo Ramos se tiver calma pode escolher um clube de top da Liga Inglesa ou Liga Espanhola para continuar a jogar com qualidade", rematou.

O SAPO está a acompanhar o Mundial mas não esquece as vidas perdidas no Qatar. Apoiamos a campanha da Amnistia Internacional e do MEO pelos direitos humanos. Junte-se também a esta causa. 

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.