Carlos Carvalhal foi apresentado esta quinta-feira como novo treinador do Swansea. O português abordou vários temas na conferência de imprensa, entre eles a situação de Renato Sanches. O técnico saiu em defesa do jovem médio, lembrando que ainda é muito novo.

"Às vezes podemos esquecer que ele jogou na seleção e no Benfica enquanto miúdo. Está a aprender, ainda. Precisa de confiança, precisa de um papel na equipa. Com o tempo vai perceber os papéis que cada jogador tem de desempenhar na equipa, estará envolvido, e quando está envolvido na dinâmica da equipa pode ser um jogador completamente diferente. Acreditamos nisso", explicou Carvalhal, em conferência de imprensa.

A estreia de Carvalhal no comando técnico dos ´swans` será frente ao Watford de Marco Silva. Um duelo de técnicos portugueses que se conhecem muito bem.

"O treinador adjunto é um bom amigo meu. É da minha cidade [Braga], jogámos juntos. Vai ser um jogo interessante. Eles estão a fazer uma campanha muito boa. Tiveram um período sem muitas vitórias, agora ganharam o último jogo. [Marco Silva] é um bom treinador, tem uma equipa muito organizada. Nós vamos fazer o nosso melhor, a jogar olhos nos olhos com eles, para lutar pelos três pontos", apontou.

Na mesma conferência, Carvalhal pediu o apoio de todos para tirar o Swansea do último lugar da Premier League e salvar o clube da descida.

"Será difícil e precisamos do apoio de todos. Vamos tentar mostrar um forte compromisso entre todos, técnicos e jogadores, e é claro que precisamos do apoio de todos os adeptos, porque eles realmente é que podem fazer a diferença. Esta competição é muito difícil e não estamos em boa posição. Não prometemos nada, mas vamos trabalhar duro e tentar jogar um bom futebol para que os adeptos possam reconhecer a nossa identidade no campo”, garantiu Carlos Carvalhal.

O treinador recordou as suas experiencias europeias ao serviço de equipas como o Sporting, Sporting de Braga e Besiktas e até mesmo a proeza de levar o Leixões, então na 3.ª Divisão, à Europa, por via da final perdida da Taça de Portugal, em 2001/02.

"Nunca me ouvirão dizer que vamos ganhar os três pontos, mas sim que vamos lutar pelos três pontos contra todas as equipas. Eu não sei jogar de forma diferente. Nunca joguei para empatar. Mesmo quando treinava na terceira divisão em Portugal e jogava contra equipas da primeira divisão, por isso é que ganhámos a essas equipas e fomos à final da Taça. Por isso é que no Sheffield Wednesday jogámos contra o Newcastle e o Arsenal na Taça da Liga e ganhámos os jogos", atirou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.