O Chelsea deu hoje a volta ao azar, em forma de autogolo, para se impor, por 3-1, na visita ao Aston Villa, igualando, provisoriamente, o Liverpool no segundo lugar da Liga inglesa de futebol, à 19.ª jornada.

Beneficiando do facto de os ‘reds’ terem adiado a receção ao Leeds, devido à pandemia de covid-19, o campeão da Europa impôs-se, com dificuldade, na visita ao Aston Villa, desfalcado do seu treinador, Steven Gerrard, infetado com o coronavírus.

Aos 28 minutos, o defesa Reece James tentou cortar um cruzamento da direita, acabando por elevar a bola, desviando-a do alcance do guarda-redes Mendy e colocando os anfitriões na frente.

Volvidos quatro minutos, o defesa polaco Matty Cash errou na cobertura a Callum Hudson-Odoi, acabando por o derrubar na área, cometendo penálti que o italiano Jorginho converteu no 1-1.

O ponta-de-lança belga Romelu Lukaku começou o jogo no banco de suplentes, porém seria decisivo na reviravolta, quando, aos 56 minutos, se antecipou à defesa para cabecear uma bola cruzada na esquerda por Trevoh Chalobah.

Aos 90+2, com a equipa em aflição, o possante avançado belga protagonizou um contra-ataque travado só com penálti, que Jorginho voltou a converter, agora no 3-1 final.

Com este resultado, o Chelsea soma os mesmos 41 pontos do Liverpool, a seis do líder Manchester City, adversário do Sporting nos oitavos de final da Liga dos Campeões, que ainda apanhou um susto na receção ao Leicester, apesar de ter goleado por 6-3.

Os portugueses Ruben Dias, João Cancelo e Bernardo Silva integraram o onze de Pep Guardiola no ‘boxing day’ - Ricardo Pereira está lesionado e não alinhou pelo Leicester –, sendo que, nos últimos três jogos, os ‘citizens’ marcaram 17 golos e sofreram agora três.

A resistência do Leicester durou cinco minutos, altura em que o belga Kevin De Bruyne inaugurou o marcador, que, aos 14 e 25, funcionou novamente, em dois penáltis cometidos pelo compatriota Tielemans: o argelino Mahrez converteu o primeiro e Sterling o segundo.

Pelo meio, aos 21, o alemão Gundogan também marcou, mas, no arranque da etapa complementar, a possível goleada transformou-se, em 20 minutos, em vislumbre de escândalo, pois James Maddison, aos 55, Ademola Lookman, aos 59, em contra-ataque, e o nigeriano Iheanacho, em recarga, aos 66, reduziram para 4-3, devolvendo a emoção ao espetáculo.

Os anfitriões acalmariam logo depois, com tento de cabeça do espanhol Laporte (69 minutos), com Sterling (87) a sentenciar com desvio na pequena área.

Com Nuno Tavares no banco e Cédric Soares com teste positivo ao coronavírus, o Arsenal foi golear ao recinto do lanterna-vermelha Norwich, por 5-0, mantendo o quarto lugar, com 35 pontos, mais seis do que o Tottenham, que, no entanto, tem três desafios a menos, e que soma mais um ponto do que o West Ham, em fase descendente.

Reduzido a 10 elementos a partir dos 37 minutos, por expulsão de Zaha, o Crystal Palace, sem o treinador Patrick Vieira, infetado, foi vergado pela arte de Lucas Moura, com um golo e duas assistências, que valiam o 3-0.

O Tottenham beneficiou de inesperado desaire caseiro do West Ham, por 3-2, ante o Southampton, para subir ao quinto lugar, com 29 pontos, enquanto o Crystal Palace é 12.º, com 20.

O jogo de hoje entre Leeds e Liverpool já tinha sido adiado, no ‘boxing day’, jornada tradicional a seguir ao Natal, e que também viu serem cancelados, igualmente devido a surtos do coronavírus, os jogos entre Wolverhampton e Watford e entre Burnley e Everton.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.