Fabrice Muamba é um dos atletas que conseguiu sobreviver, após sofrer uma paragem cardiorrespiratória em campo. Foi precisamente há nove anos, durante um Bolton-Tottenham, da Taça da Liga Inglesa, no dia 17 de março de 2012.

Foi graças a pronta intervenção do médico Jonathan Tobin que o antigo jogador do Bolton conseguiu recuperar e sobreviver. Os dois voltaram a encontrar-se, nove anos depois, num podcast do congolês onde costuma falar com antigos colegas de equipa. Desta vez o convidado foi o homem que lhe salvou a vida.

Muamba abriu a conversa com uma pergunta direta: "Doutor, quando eu estava no hospital, acreditou que voltaria a acordar?".

Tobin respondeu: "Não. Nunca pensei que voltasses a acordar, amigo. Aliás ninguém pensou que pudesses acordar. Estiveste morto durante 78 minutos. Quer dizer, Jesus! És um autêntico milagre!".

Nesse dia que podia ser o último do antigo médio do Bolton, Fabrice Muamba, contou como tudo aconteceu.

"Não se passou nada de estranho, nesse dia. Tudo normal. Quando chegamos a White Hart Lane soube que ia ser titular. Fomos para os balneários, equipei-me e saí para o aquecimento. Sem problemas, estava apenas ansioso para o jogo começasse. Por volta dos 40 minutos, a minha visão começou a ficar turva. Fixava o olhar em alguém e via a dobrar. Depois, sem qualquer aviso, pumba, estava no chão. Foi a última vez que tive autorização para jogar futebol."

Muamba desfaleceu no relvado de White Hart Lane, em Londres, antes do intervalo do encontro dos quartos de final da Taça de Inglaterra entre Tottenham e Bolton, tendo estado em paragem cardíaca durante 78 minutos. Mas recuperou e sobreviveu após o tratamento imediato recebido em campo.

Depois de recuperar do ataque cardíaco, Fabrice Muamba foi obrigado a deixar o futebol aos 24 anos de idade. O anúncio do final da carreira aconteceu a 15 de agosto de 2012. O médio, internacional sub-21 pela Inglaterra, recorreu a vários especialistas em cardiologia e foi aconselhado a abandonar o futebol.

"Apesar de ser uma notícia devastadora, tenho de estar agradecido. Amo o futebol e sinto-me afortunado por ter conseguido jogar ao mais alto nível", escreveu Muamba, nascido no Zaire mas naturalizado inglês.

"Exigi-me muito, talvez de mais. Estava em forma, mas queria ir ainda mais longe. Estava num complexo em Nova Iorque onde fazíamos de tudo: corrida, musculação, tudo. Creio que pode ter sido uma dessas coisas a provocar a minha paragem cardíaca", completou.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.