André Villas-Boas foi esta manhã apresentado como treinador do Chelsea e fez questão de esclarecer que a saída do FC Porto foi dolorosa e que apenas aceitou por se sentir tentado a enfrentar um novo desafio.

«Foi uma separação difícil do FC Porto. Teve um grande impacto em Portugal e posso dizer que estava comprometido com o Porto a 100%, pois é a minha cidade e o meu clube. Tivemos um ano tremendamente bem sucedido, mas senti a necessidade de um novo desafio. Foi um ano louco, mas senti que me podia desafiar a mim mesmo um pouco mais. Sei que nada do que possa dizer apaga a frustração dos fãs do FC Porto, mas tenho a certeza que o Vítor [Pereira] vai ter sucesso, pois é um profissional muito competente.»

Falando sempre em inglês por ter sido assim decidido pelo clube londrino, o treinador português fez questão de explicar que a sua mudança para Inglaterra não se deveu a uma questão financeira, pois o FC Porto estava disposto a cobrir a oferta de Roman Abramovich.

«O FC Porto estava pronto para fazer uma oferta equivalente ao Chelsea para eu ficar, mas o apelo de um novo desafio foi mais aliciante.»

Villas-Boas lembrou que o sucesso nos dragões se deveu à «qualidade dos jogadores e à estrutura do clube», garantindo que a sua filosofia de futebol não se alterará de Portugal para Inglaterra.

«Não se trata só de ganhar mas de ganhar com qualidade. Defendemos essa filosofia até à morte e aqui vamos tentar fazer isso.»

O novo treinador do Chelsea assumiu ainda que está habituado a que falem da sua idade, mas lembrou que isso nunca foi e não será um problema no trabalho com os jogadores.

«É normal as pessoas questionarem a minha idade. Mas sempre foi assim, porque comecei muito novo. É algo que aceito com normalidade, mas acho que os jogadores são responsáveis e respeitam a posição do treinador. Nunca tive problemas desse género na minha carreira. É a confiança que mostramos que nos faz avançar e merecer esse respeito.»

Sobre a pressão em vencer no imediato, André Villas-Boas deu o peito às balas e mostrou que está preparado para ter sucesso à frente dos blues.

«Alguém espera que um treinador que não vença fique ao comando desta equipa. Sei que tenho de ganhar e é isso que quero e venho fazer», declarou Villas-Boas, que aproveitou ainda a sua primeira conferência para deixar uma mensagem de confiança aos jogadores, frisando que não há falta de qualidade na equipa.

«O que é importante é mostrar aos jogadores que têm capacidade para ganhar. Muitos deles estão ansiosos para começar esta nova fase. Não concordo com a ideia de que há falta de qualidade, mas é claro que terão de ser feitos alguns ajustamentos.»

As comparações com José Mourinho são inevitáveis e André Villas-Boas recorreu à boa disposição para responder se também ele seria “Especial”.

«Especial? Fico à espera que sejam vocês [jornalistas] a dar-me um título. Isto não é um one-man show, por isso talvez pudesse ser chamado ´the group one´.»

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.