A notícia é avançada pelo jornal 'Expresso', que adianta que o Ministério Público e a Polícia Judiciária suspeitam que essa quantia, 80 por cento dos 1,8 milhões de euros pagos por parte da SAD encarnada, foi alegadamente devolvida a Miguel Moreira, arguido por branqueamento de capitais e fraude fiscal, em numerário pela empresa informática 'Questão Flexível', que havia prestado serviços ao clube.

Ainda de acordo com a mesma publicação, também foi constituído arguido por fraude fiscal o dono da referida empresa, José Bernardes.

Recorde-se que a Procuradoria-Geral da República (PGR) havia revelado em Julho de 2020 a constituição de três arguidos, uma pessoa singular e duas coletivas, por fraude fiscal no âmbito da referida operação ‘saco azul’.

Luís Filipe Vieira viveu turbilhão judicial durante ‘reinado’ no Benfica
Luís Filipe Vieira viveu turbilhão judicial durante ‘reinado’ no Benfica
Ver artigo

A investigação da Autoridade Tributária (AT) remonta a 2018, quando foram feitas buscas às instalações ‘encarnadas’, por suspeitas da emissão de faturas de serviços fictícios de uma empresa informática, que o Benfica pagou.

Na altura, fonte oficial do Benfica confirmou que Luís Filipe Vieira tinha sido ouvido no processeo, acrescentando tratar-se de uma questão relacionada com o pagamento de IVA e IRC e não com um alegado ‘saco azul’, não tendo o caso relação com a gestão desportiva.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.