Rúben Amorim esteve esta quinta-feira em Alcochete a fazer a antevisão do jogo com o Estoril (sexta-feira, 21h15).

Últimos maus resultados: "Para mim é simples. O que me custa mesmo e perder jogos. Olhar para a tabela, olhar para outras equipas... Há três lugares que nos ajuda... Já tive a situação com o Mathieu, com o Slimani. Sempre com jogadores importantes para os adeptos. Volto a dizer. Tenho um trabalho para fazer e o que interessa é ganhar jogos. Ao contrário do que disse, tenho memória longa e já vi muitos treinadores a passar por aqui. A única coisa é que durmo menos horas, porque a equipa sofre oito golos. Não ligo a nada disso dos adeptos. No futebol não existe razão. Também já fui adepto. Na minha cabeça acredito que podemos ganhar os jogos a seguir. Acordo um bocadinho mais angustiado.  No dia em que for despedido, vai estar outro a sofrer isto. O Conceição já passou, o Jorge Jesus passou. Só quero ganhar ao Estoril e tudo ficará um bocadinho melhor."

Rúben Amorim ser visto por Varandas como o melhor do campeonato e dos melhores do mundo: "Sou o 13.º melhor treinador da Liga. Eu não me empolgo. As palavras são de um presidente que acredita no treinador. A relação é normal, a que sempre tivemos. Discutimos em casa, tenho que fazer o meu papel e o presidente tem que organizar todos os departamentos. Está tudo bem. O foco é ganhar jogos e tudo vai desaparecer."

Arthur Gomes apontado ao Sporting: "O Arthur Gomes é jogador do Estoril... O mercado fecha hoje. Depois faremos um balanço. Relembrar que o Estoril tem uma grande equipa, com miúdos muito talentosos. Têm mais três pontos do que nós e se ganharem ficam a seis."

Momento de forma: "Não estamos nesse momento e dar passos atrás. Defender bem é defender desde o primeiro momento. Se formos ao foco dos golos... Se passamos muito tempo a atacar, temos de ter noção onde estão os jogadores mais perigosos. Tem a ver com a forma como controlamos quando perdemos a bola. Na primeira época disse que tínhamos que jogar melhor. Queremos jogar, ser donimadores e queremos ganhar. Temos que marcar golos e quando é assim controla-se melhor os jogos. Temos que marcar golos para ganharmos confiança."

Equipa: "Os meus jogadores são sempre os melhores do mundo. Temos equipa para ganhar ao Chaves, temos equipa para fazer melhor jogo no Dragão, para ganhar ao Braga... Vamos fazer o mesmo de sempre e vamos montar o 11 que eu achar mais forte."

Apoio da direção: "Volto a dizer. Os adeptos têm sido corretos comigo e estiveram sempre lá. O ano passado também tivemos estas enchentes. Os sportinguistas percebem que a equipa dá tudo em campo e que precisa de apoio. A direção não precisa de me apoiar. Sinto-me confortável. A única maneira de dar a volta é ganhar jogos. Eu acredito que posso ganhar todos os jogos porque estou acompanhado pelos meus jogadores."

Possibilidade de alterações no meio-campo: "Correu bem. Sei que é difícil entender, mas eu gostei bastante da primeira parte. O Pote rematou muitas vezes. Na segunda parte desapareceu e a equipa não reagiu muito bem ao primeiro golo. Perdemos a bola logo a seguir, o que cria ansiedade. Não podemos olhar para um jogo e dizer que o Pote não pode jogar ali [a 8]. Eu fico contente por ter várias opções. É impossível substituir o Matheus Nunes. Em princípio o Pote vai variar de jogo para jogo."

Processo a jornalista: "Volto a dizer. Isso ultrapassa-me. Devia só falar dos jogos. Se está regualmentado... Se faz sentido ou não, não sei. A maior parte das vezes venho aqui e sei o que vou responder. Vocês podem perguntar sempre o que quiserem. É um não-assunto."

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.