Nos últimos seis jogos o Benfica tinha-se imposto com solidez, e cada adversário caiu após o outro. Seis partidas sem sofrer golos e cinco golos apontados ao Paços de Ferreira na última jornada.

As expetativas eram por isso altas frente ao 10.º classificado da liga. Depois do triunfo do líder Sporting, as águias queriam somar os três pontos para colocaram pressão sobre o FC Porto.

Veja o resumo da partida

Contudo o desaire veio trocar os planos à equipa de Jorge Jesus. "A derrota tirou-nos a crença". Foi o treinador das águias quem o admitiu em conferência de imprensa após a partida. O Benfica não esperava encontrar um Gil Vicente que se está a fazer especialista em deslocações fora do seu reduto, somando a sua terceira vitória consecutiva fora de casa, depois de impor-se frente ao Benfica, Rio Ave e Vitória SC.

Mas quem não assistiu à partida pode pensar que houve surpresa na Luz. Puro engano. O triunfo assenta que nem uma luva à equipa orientada por Ricardo Soares, que fez por merecer os três pontos. Um conjunto que não se escolheu, que tentou sempre chegar ao último terço, que lutou, à semelhança do que já tinha feito o Farense no embate frente ao Sporting. Um exemplo para outros equipas que se 'apagam' quando vão a casa das 'grandes' equipas.

O Gil Vicente esteve imperial na defesa e forte na profundidade e nas transições. Soube anular um Benfica sem ideias e sem capacidade para queimar linhas e colocar mais em xeque a baliza dos 'galos'.

O Benfica iniciou a partida com três centrais, tentando colher os frutos da goleada frente ao Paços de Ferreira. Mas na primeira parte só deu praticamente Gil Vicente. Esfumou-se a pressão asfixiante sobre o portador da bola, com os gilistas a condicionarem a primeira fase de construção do Benfica. Aproveitando uma transição, o Gil Vicente chegou ao golo à passagem do minuto 35´ por intermédio de Leauty. Um tento natural para a equipa que tinha procurado mais a vantagem. Em suma, uma exibição paupérrima dos encarnados nos primeiros 45 minutos.

No segundo tempo, Jesus mexeu a nível tático recuperando o 4-4-2. A nível ofensivo notou-se que os encarnados se tornaram mais acutilantes. Seferovic pôde aparecer mais, mas sem o poder matador dos últimos jogos. Com as linhas mais recuadas para enfrentar os últimos minutos, os gilistas acabaram por fazer o 2-0, num contra-ataque rápido. Lourency não falhou diante de Helton Leite. Até final, o Benfica ainda reduziu num autogolo de Vítor Carvalho.

Depois da recuperação nos últimos jogos, as aspirações ao título ficaram na noite de sábado quase definitivamente comprometidas. Veremos se o segundo lugar também.

Já o Gil Vicente somou os três pontos na Luz, o que não sucedia desde 2005/06. O Benfica, dois meses depois, voltou a marcar passo no campeonato.

Momento

Golo do Gil Vicente ao minuto 81´ - Numa altura em que o Benfica, em pressão alta, procurava o golo do empate, eis que surgiu Lourency a sentenciar a partida. Os encarnados ainda foram à procura do prejuízo mas era tarde demais.

Melhores

Lourency

Um golo, dois remates, eficaz no passe e uma seta apontada à baliza do Benfica. O mais perigoso do lado dos gilistas. Fez ainda nove recuperações de bola.

Diogo Gonçalves

O melhor do Benfica durante a primeira parte. Inconformado, insistiu em cruzamentos para os colegas que não deram o melhor seguimento.

Reações

Ricardo Soares: "Viemos para discutir o resultado sem autocarros e sem antijogo"

Jesus: "A derrota tirou-nos a crença"

Otamendi: "Mentalidade é lutar ate ao fim"

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.