Quis o destino que o FC Porto chegasse à Luz, no penúltimo jogo do campeonato de futebol, a precisar de um ponto para  sagrar-se campeão e fazer a festa no estádio do rival Benfica, 11 anos depois de uma comemoração que ainda hoje é lembrado por Dragões e Águias, por motivos distintos.

A época do Benfica está longe de ser a melhor - sem qualquer título pela segunda temporada consecutiva -, pelo que esta será a derradeira oportunidade para a equipa refazer as pazes com os adeptos e evitar nova humilhação, antes de se iniciar uma nova era na Luz, com Roger Schmidt.

Num terreno onde até se tem dado bem nos últimos anos, os Dragões de Sérgio Conceição só tem de não perder o jogo, para festejarem o 30.º título de campeão nacional, a uma ronda do final. Se não acontecer, tudo irá decidir-se na última ronda em casa, diante do Estoril.

Para o Benfica, mais do que um clássico e todo o seu simbolismo, é importante evitar que o rival repita 2011, quando venceu na Luz e festejou o 25.º título de campeão nacional. A 03 de abril de 2011, a equipa treinada por André Villas-Boas (terminou o campeonato sem derrotas) celebrou, às escuras, com a iluminação apagada, e no meio da água, depois de ligados os aspersores, a vitória por 2-1, que valeu a conquista antecipada do centro, a cinco rondas do fim. Otamendi, capitão do Benfica, estava no lado dos Dragões.

Veja onde estavam, em 2011, os atuais jogadores do FC Porto que podem repetir o feito de há 11 anos. 

A nível de opções, Manafá é a única ausência no FC Porto. O colombiano Uribe deverá regressar ao 'onze'. Já no Benfica, Nélson Veríssimo ainda não sabe se poderá contar com Rafa. Grimaldo e Taarabt, que foram poupados diante do Marítimo, poderão voltar ao onze.

O jogo marca a despedida de Nélson Veríssimo dos adeptos do Benfica na Luz. O técnico sairá do emblema da Luz no final desta temporada.

Momento de forma: Benfica com muitos pontos perdidos em casa, FC Porto é a melhor equipa fora de portas

O FC Porto chega a este jogo depois da vitória sofrida diante do Vizela por 4-2 na ronda anterior, após ter visto o SC Braga colocar um ponto final na sua série de 58 jogos seguidos sem perder na I Liga. Os Dragões querem continuar a ser a melhor equipa fora de casa esta época na I Liga (uma derrota e dois empates em 16 jogos), num ano em que podem bater o recorde de pontos na prova. Somam 85 e só tem de fazer mais quatro para superar os 88 do Benfica de Rui Vitória, em 2015/16 e o próprio recorde, na primeira época de Sérgio Conceição no clube (2017/18).

Já o Benfica não vive o melhor dos momentos. A equipa não encontrou o caminho com Nelson Veríssimo e tem oscilado muito nas exibições e resultados. Na última jornada venceu o Marítimo fora de portas por 1-0, num encontro onde jogou mais de metade do tempo com mais um jogador.

Semana de decisões: Campeão, apuramento para a UEFA e descidas poderão ficar decididas já nesta ronda
Semana de decisões: Campeão, apuramento para a UEFA e descidas poderão ficar decididas já nesta ronda
Ver artigo

Curiosamente o Benfica tem piores resultados em casa que fora na I Liga. Na Luz os Encarnados já desperdiçaram 15 pontos em 16 partidas, a uma média de quase um ponto por jogo. O Benfica não venceu seis dos 16 jogos disputados em casa: Derrotas Portimonense, Sporting e Gil Vicente e empates diante de Moreirense, Vizela e Famalicão.

Esta já é a pior pontuação caseira dos últimos onze anos. Para encontrar um Benfica tão ineficaz em casa na I Liga, é preciso recuar 14 anos, até 2007/2008, quando os Encarnados perderam 18 pontos na condição de visitados.

Histórico: Dragões já lideram nos duelos com as Águias

Desde esse título festejado pelo FC Porto na casa do rival, o Benfica apenas venceu quatro das 14 receções aos Dragões, que venceram seis (quatro empates nos restantes jogos).

O histórico de confrontos começou por ser dominado pelo Benfica durante muitos anos mas desde que Pinto da Costa entrou no FC Porto, em 1981, os Dragões aproximaram-se muito até ultrapassar as Águias. Com as duas vitórias somadas esta época no Dragão (Taça de Portugal e Campeonato), o FC Porto passou a ter mais 11 triunfos do que o Benfica no histórico de todos os confrontos futebolísticos entre os dois conjuntos, que os ‘encarnados’ comandavam por 14 vitórias no final dos anos 70.

Desde 1980/81, os ‘dragões’ contabilizam mais 25 triunfos (60 contra 35) e 45 golos marcados (174 contra 130), sendo que ‘mandaram’, de forma clara, em cada uma das últimas quatro décadas.

Para encontrar a última vitória dos ‘encarnados’ é preciso recuar à época 2018/19, mais precisamente a 02 de março de 2019, dia em que os comandados de Bruno Lage foram ao Dragão vencer por 2-1 e assumir a liderança do campeonato, à 24.ª jornada, ano em que se sagrariam campeões.

O Benfica já não vence o FC Porto há mais de dois anos e meio e não ‘manda’ numa década desde a de 70 do século passado, quando somou mais cinco triunfos (11 contra seis, em 23 jogos), repetindo os anos 40 (14-6, em 22) e 60 (12-7, em 28).

No que respeita apenas ao campeonato, os ‘dragões’ contabilizam mais 12 vitórias (69 contra 57).

O clássico, que começou a jogar-se há mais de 90 anos, mais precisamente desde 28 de junho de 1931, com um 3-0 do Benfica no Campo do Arnado, ostenta um benfiquista como melhor marcador, o ‘rei’ Eusébio, autor 25 golos.

A chegada ao FC Porto permitiu ao treinador Sérgio Conceição ter mais vitórias que derrotas no seu historial com o Benfica. Frente aos ‘encarnados’, Sérgio Conceição soma agora 10 vitórias, quatro empates e nove derrotas (27-26 em golos) e está invicto há oito jogos, um deles frente a Nélson Veríssimo, que já tinha comandado o Benfica na reta final da época 2020/21. Como treinador dos azuis e brancos, Conceição soma oito vitórias, três empates e apenas duas derrotas diante do Benfica, com 22 golos marcados e 10 sofridos.

O FC Porto tem 99 vitórias, contra 88 das ‘águias’, num duelo, de 249 embates, ainda com 62 empates e que continua a ser comandado pelos lisboetas em matéria de golos (385 contra 363).

O que dizem os treinadores

Nélson Veríssimo, treinador do Benfica: "Sabemos as circunstâncias que o jogo envolve, e a única coisa que temos de ter na nossa cabeça é a vitória. Tenho-o dito nas últimas jornadas e à medida que o campeonato vai caminhando para o fim, o nosso objetivo passa por ir vencendo e é exclusivamente isso que temos na cabeça: receber o FC Porto em casa, ganhar, e tudo o resto são meras especulações, conjunturas e cenários."

Sérgio Conceição, treinador do FC Porto: "Ainda recentemente o Benfica fez três golos na casa de um forte adversário [Liverpool]. Protagonizou uma Liga dos Campeões acima da média, chegando às oito melhores equipas. Conseguiu resultados positivos nas últimas jornadas do campeonato e tem as individualidades que todos conhecemos.  Mas temos de nos concentrar nas nossas tarefas, como equipa."

O Benfica-FC Porto, da 33.ª jornada da I Liga, está marcado para às 18h00 de sábado na Luz, e terá arbitragem de Luís Godinho, árbitro da Associação de Futebol de Évora, de má memória para o FC Porto. O eborense vai ter como assistentes Rui Teixeira e Valter Rufo, no videoárbitro vai estar João Pinheiro, enquanto Tiago Martins vai ser o quarto árbitro.

Internacional desde 2017, vai dirigir pela quinta vez um clássico, o segundo entre 'águias' e 'dragões', depois de ter estado no empate 1-1, no Estádio do Dragão, no Porto, da 14.ª jornada da edição 2020/21 da I Liga.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.