A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) vai reunir “nos próximos dias” para analisar medidas a tomar para combater os sucessivos episódios de agressões aos ‘juízes’ em jogos de futebol, sete no último fim de semana.

“Iremos reunir com os núcleos de árbitros, alguns árbitros e seus representantes e iremos analisar o que fazer. E vamos enviar as queixas para o Ministério Público e exigir, no âmbito desportivo e jurídico, que os agressores sejam punidos”, garantiu o presidente da APAF, Luciano Gonçalves.

Em declarações à Lusa, o dirigente comentava os sete incidentes reportados no fim de semana em desafios de futebol de escalões inferiores e camadas jovens, admitindo que encontrar uma resposta resolutiva não é tarefa fácil.

“Não temos nenhuma solução que nos garante que estas situações não aconteçam. Tivemos agressões em partidas com e sem policiamento, em jogos de miúdos de 14 anos e de seniores... Uma tipologia variada. Não é algo que possamos dizer que se optarmos por ‘esta situação’ isso vai acabar, termos a garantia de que vai terminar. Não temos”, explicou.

Luciano Gonçalves lembrou que já existe uma legislação punitiva, que até prevê a “detenção dos agressores”, contudo lamenta o facto da mesma não ser “aplicada, cumprida”.

O dirigente informou que hoje mesmo um dos atacantes foi presente a tribunal e revelou que em diversas outras ocasiões os prevaricadores não foram identificados, pelo facto dos desafios não terem policiamento e dos infratores não estarem ligados às equipas que se defrontavam.

Dos sete agredidos, nenhum está hospitalizado, contudo há um, “com uma contusão”, a ser “acompanhado” com maior proximidade pela APAF, que está a “garantir apoio jurídico a todos”.

“A APAF só tem um interesse, o de que estas situações terminem. Sem vontade de tomar medidas ‘só porque sim’ sem termos a certeza de que não se viram contra nós e resolvem efetivamente alguma coisa. Está tudo em cima da mesa, tudo pode acontecer”, sentenciou, recordando a questão cultural de “achincalhar” os árbitros em Portugal, elucidando com os comentadores desportivos em programas de televisão.

Acrescentou que a APAF está em sintonia com as associações de futebol no sentido de “punir com celeridade” os prevaricadores, o mesmo entendimento partilhado com a Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto, de quem espera “ajuda para punir os agressores de forma mais efetiva”.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.