O árbitro da Associação de Futebol de Setúbal Luís Reforço foi detido pela PSP na noite desta segunda-feira na sequência de uma investigação a funcionários da Autoridade Tributária que trabalham no Aeroporto Humberto Delgado.

Luís Reforço, árbitro de categoria C2, foi detido assim como mais 13 funcionários da Autoridade Tributária suspeitos de peculato e falsificação de documentos.

O Comandante Operacional da Divisão Criminal de Lisboa, Nuno Pereira, explicou à agência Lusa que esta detenção e constituição de arguidos resultou de mais de um ano de investigação sobre esta atividade delituosa.

O polémico Torreense-Anadia apitado por Luís Reforço: penálti repetido três vezes, dois vermelhos e um árbitro desorientado - "Havia um doido em campo"

Segundo explicou Nuno Pereira, estes detidos e a restante rede “facilitavam a entrega e chegada de objetos”, que eram retidos e dados como perdidos e não era reclamados. Os objetos eram posteriormente revendidos ou usados em benefício próprio.

Na operação foram realizadas 30 buscas domiciliárias que levaram à descoberta de “centenas de objetos” (como computadores, telemóveis, relógios e outros objetos pessoais) desviados por via do esquema ilícito, mas também três armas de fogo e uma de pressão de ar não legalizadas.

Dos 14 detidos, 13 pertenciam à Autoridade Tributária (AT) e um deles foi detido por posse ilegal de arma, sendo que no mesmo esquema acabaram arguidas outras 13 pessoas, que não ficaram detidas.

Nuno Pereira destacou que a AT e os detidos acabaram por não colocar obstáculos à investigação policial e foram colaborantes em "desmascarar o esquema ilegal".

Os detidos serão nas próximas 48 horas presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação de medidas de coação.

Em comunicado posterior às declarações, o Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) explica que a operação foi realizada na manhã de segunda-feira, nos distritos de Lisboa, Porto, Santarém, Setúbal e nos Açores, envolvendo “dezenas de crimes de peculato e de falsificação de documentos”.

“Ao longo de aproximadamente um ano foram investigados vários crimes praticados por funcionários da Autoridade Tributária, no Aeroporto Humberto Delgado (Lisboa), no âmbito das suas funções, nomeadamente a apropriação ilegítima de objetos e mercadorias que os mesmos tinham acesso no âmbito da sua atividade profissional, os quais, escapando ao controlo e supervisão, passavam a integrar as suas esferas patrimoniais”, adianta a PSP.

A polícia recolheu prova “tendo em vista a consolidação dos indícios já recolhidos e que resultaram na execução de 27 buscas domiciliárias e dezenas de outras não domiciliárias”, nos locais de trabalho.

A polícia suspeita de centenas de objetos “desencaminhados do aeroporto e encontrados nas habitações dos arguidos, destacando-se relógios, perfumes, computadores portáteis, telemóveis e outros objetos de natureza genérica”.

No âmbito da operação, foram apreendidos “diversos aparelhos eletrónicos suspeitos de conter elementos de informação importantes para a investigação: três armas de fogo (dois revólveres de calibre .22 e .38 e uma pistola calibre 6.35 mm e outra de ar comprimido”.

“Além das 13 detenções já indicadas, ressalte-se uma detenção em flagrante delito por posse de arma proibida e ainda 13 outros suspeitos constituídos arguidos”, precisa a PSP.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.