O Benfica ficou-se pelo nulo na receção ao Famalicão, perdendo assim a oportunidade de colocar pressão sobre o Sporting (que só joga segunda-feira) na luta pelo segundo lugar. As águias remataram muito, mas os lances de real perigo escassearam, sobretudo até aos 20 minutos finais, e acabaram por ficar em branco.

Num jogo que foi de domínio acentuado por parte dos 'encarnados', o Famalicão poucas vezes chegou perto da grande área contrária, mas resistiu até ao fim e conseguiu os seus intentos, saindo da Luz com um ponto precioso na sua luta pela manutenção.

Primeira meia hora de domínio encarnado, mas de poucos lances de perigo

Sem o castigado Everton e o lesionado Rafa, Nelson Veríssimo apostou em Diogo Gonçalves e Gil Dias (moralizado pelo golo apontado há uma semana em Alvalade) para alinharem de início nas alas, enquanto no centro do terreno o jovem Paulo Bernardo foi titular em detrimento de Taarabt, que começou no banco.

Na defesa e no ataque não houve novidades e as águias entraram, como era de esperar, dominadoras no encontro, apostadas em dar seguimento ao seu bom momento recente Porém, e apesar de totalmente instalados no meio-campo famalicense, os 'encarnados' tardaram a criar perigo.

Paulo Bernardo tentou a sua sorte de longe logo a abrir, mas a bola saiu muito ao lado e Darwin também rematou por um par de vezes, mas sempre sem nunca assustar Luiz Júnior na baliza dos visitantes. O Famalicão, por seu lado, raramente conseguia sair em contra-ataque, mas ia resistindo perante um Benfica que não apresentava a intensidade e a criatividade necessárias para desbloquear o jogo.

'Águias' aceleram no fecho da primeira parte

Perto da meia hora, Darwin Nuñez ganhou de cabeça na grande área do Famalicão e assistiu Gonçalo Ramos, que também de cabeça chegou à bola primeiro do que o guarda-redes contrário, mas atirou por cima naquele que terá sido o lance de maior perigo dos primeiros 30 minutos.

Foi o mote para uns 15 minutos finais de primeiro tempo de maior intensidade por parte dos anfitriões. Logo depois, Diogo Gonçalves surgiu solto na área do Famalicão e rematou em boa posição, mas Alex Nascimento cortou. A bola ainda sobrou para Gil Dias, mas este atirou fraco, para defesa fácil de Luiz Júnior.

A melhor ocasião de golo de todo o primeiro tempo surgiu já à beira do intervalo: pontapé de canto de Grimaldo e  remate fortíssimo de Diogo Gonçalves após um corte da defesa famalicense, com Luiz Júnior a defender com dificuldade, mas qualidade, e a segurar o nulo.

Segunda parte arranca como a primeira, mexidas espevitam mas pouco

Os 15 minutos de descanso, contudo, serviram para voltar a adormecer a equipa do Benfica, que entrou para a segunda parte sem alterações na equipa e voltando a não conseguir impor a intensidade necessária para desmontar a bem estruturada defesa famalicense.

Ao ver a sua equipa novamente incapaz de criar perigo e o Famalicão a conseguir até agora passar algum tempo com bola no meio-campo contrário, Nelson Veríssimo mexeu na equipa à passagem da hora de jogo e o Benfica voltou a melhorar.

Entraram André Almeida e Yaremchuk para os lugares de Gilberto e Diogo Gonçalves (com alguns assobios a ouvirem-se nas bancadas) e o Benfica voltou a encostar o Famalicão à sua grande área, ainda que sem conseguir ocasiões de golo flagrantes. Aos 62 minutos Luiz Júnior afastou com uma palmada no momento certo um centro-remate perigoso de Gil Dias e aos 65 o recém-entrado André Almeida foi à linha de fundo cruzar rasteiro, mas ninguém apareceu para tocar a bola para o fundo das redes.

Assalto final à baliza do Famalicão, pedidos de penálti e nulo até ao fim

Os 20 minutos finais foram de ainda maior pressão por parte do Benfica, em busca do golo que lhe valesse a terceira vitória consecutiva na I Liga. E o mote para esse assalto final à baliza do Famalicão foi dado de forma espetacular, com um fantástico pontapé de bicicleta de Paulo Bernardo, defendido de forma não menos fantástica por Luiz Júnior.

Alguns minutos mais tarde, grande jogada do ataque encarnado, com Yaremchuk a combinar bem com Nemanja Radonjic, que entretanto havia saltado do banco, e o sérvio a cruzar com perigo.

VÍDEO: Benfica pediu penálti na Luz por mão na bola, mas árbitro e VAR mandaram jogar
VÍDEO: Benfica pediu penálti na Luz por mão na bola, mas árbitro e VAR mandaram jogar
Ver artigo

O Benfica jogava agora com maior qualidade e mais intensidade, mas o golo não surgia e aos 82 minutos as 'águias' pediram penálti. No seguimento de um canto, confusão na grande área encarnada e Otamendi a tentar o desvio, com a bola a bola esbarra em Alex Nascimento, que depois caiu sobre o esférico com a mão direita. O lance foi alvo de VAR, que considerou que a mão não foi intencional.

O Benfica tentou o tudo por tudo até ao fim, mas mais com o coração do que com a cabeça e o nulo subsistiu mesmo até ao fim. Com o empate, as 'águias' reduzem para cinco a distância para o segundo lugar, ocupado pelo Sporting, mas podem ver os leões dilatarem para oito essa vantagem caso vençam o Boavista na segunda-feira. Quanto ao Famalicão, segue no 14.º lugar e chega aos 30 pontos, cinco acima da zona de descida direta e quatro acima do 16.º posto, que dita um play-off com o 3.º classificado da II Liga.

Veja o resumo do encontro

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.