O tratador da águia Vitória, Juan Bernabé, disse hoje, à porta do Estádio da Luz, que na segunda-feira vai falar com o presidente do Benfica, porque tem contrato até 2013 e bens pessoas no interior das instalações desportivas.

Bernabé, acompanhado de Vitória, afirmou que foi proibido de entrar nas instalações desportivas e lhe retiraram as credenciais, tendo hoje sido expulso pelos seguranças quando tentava entrar.

À Lusa adiantou que voltará ao estádio na segunda-feira para tentar falar com Luís Filipe Vieira: “Acho que o presidente pode solucionar, ele não está a par disto tudo, tem muito trabalho”, considerou.

O tratador espanhol reafirmou que sempre teve problemas desde que Rui Pereira é chefe da segurança do Benfica: “Nos últimos meses só me humilhou e maltratou”, disse, adiantando que o problema é entre si e Rui Pereira, mas o Benfica tem de tomar uma decisão.

“Eles têm dar umas directrizes já definidas, se ele tem razão ou eu, e tomar uma alternativa, porque para mim é muito desagradável em cada jogo em que há emoções lidar com porrada e pessoas que me proíbem de realizar o meu trabalho”, disse.

Bernabé reafirmou a sua versão do sucedido no sábado, antes do jogo da 14.ª jornada da Liga de futebol com o Rio Ave (5-2), quando a águia Vitória não realizou o seu tradicional voo.

“Fui proibido de aceder pelo túnel dos jogadores ao relvado, o que tinha pedido por e-mail. Tudo mudou e o meu trabalho e o da Vitória já não se realiza como antes. Quando acedíamos ao relvado já havia ordens de Rui Pereira e estavam os seguranças à minha espera e proibiram-me a entrada”, contou.

Alega que foi “atirado ao chão” e “imobilizado”, sendo “impedindo” de fazer o seu trabalho. Depois apareceu Rui Pereira, “que é um ex-militar reformado” e, como agora esclareceu, não pertence à empresa de segurança Prossegur.

O tratador afirmou que se trata “de uma questão pessoal” entre si e Rui Pereira. “Quando a selecção espanhola defrontou Portugal [em Novembro na Luz], ele proibiu-me de tirar uma foto com a minha selecção”.

Bernabé acrescentou que várias vezes Rui Pereira demonstrou má vontade contra si e até “afirmou que os espanhóis são arrogantes”.

Questionado sobre o futuro da águia, Bernabé afirmou que “a Vitória é do Benfica e dos seus sócios” e nunca irá privar o clube da sua águia, mas sublinhou que será Luís Filipe Vieira “que determinará” se continuará a realizar ou não o seu trabalho.

Um trabalho que é “inédito no mundo inteiro, reconhecido a nível internacional, e dava ao clube um valor desmesurado”, disse.
Depois do sucedido no sábado, Bernabé recebeu várias chamadas da Europa e e-mails de benfiquistas, mas nenhum telefonema do Luís Filipe Vieira.

No Sábado, depois de não ter orientado a águia antes do Benfica-Rio Ave, o tratador afirmou que foi "agredido por seguranças no Estádio da Luz e ameaçado pelo dirigente do Benfica Domingos Soares Oliveira", com quem ficou "desapontado".

Após o jogo, o director de comunicação do Benfica, João Gabriel, disse que o tratador “não respeitou as normas” do clube e, numa posterior declaração á Lusa, frisou: “Ninguém está acima da instituição, sejam dirigentes, treinadores ou jogadores, muito menos o senhor João Bernabé”.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.