O Sporting foi condenado a admitir a candidatura à presidência do clube liderada por Bruno de Carvalho, segundo a decisão da providência cautelar apresentada pelo presidente destituído, a que a Lusa teve hoje acesso.

Esta decisão já tinha sido anunciada por Bruno de Carvalho, numa ação de campanha da lista ‘Leais ao Sporting’, inicialmente marcada para apresentar Erik Kurgy como líder do projeto, dada a suspensão de sócio por um ano do antigo dirigente. O ex-presidente do Sporting considera que esta é uma vitória da sua candidatura.

"A candidatura liderada por mim prometeu aos sportinguistas apresentar-se a eleições na defesa da democracia e superiores interesses do Sporting. Foi tomada, como é público, uma decisão que sanaria essa impossibilidade ilegal, como é a retirada dos três elementos da candidatura ilegalmente suspensos. Mas hoje, para nosso gáudio, fez-se justiça e obtivemos, de uma providência cautelar colocada, a obrigatoriedade do Sporting de receber a nossa candidatura sob pena de crime de desobediência. É uma vitória do Sporting, não pessoal. Estamos satisfeitos por justiça estar a dar-nos razão, colocando fim a uma série de atropelos", começou por dizer Bruno de Carvalho.

"Hoje foi uma vitória tremenda da democracia e uma derrota tremenda para todos os candidatos, menos para nós. Vai ser um dia de muita reunião. Era bom perguntar a todos os candidatos se vão continuar a ser candidatos".

Bruno de Carvalho falou ainda de Jaime Marta Soares: "Se Marta Soares não receber a candidatura corre o risco de desobediência e pagamento de uma coima. Que não se arme em santo."

"Como sportinguista e português hoje renasci um pouco. A justiça tarda mas não falha", finalizou.

Na decisão, a juíza Raquel Alves, do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, decidiu a favor da petição de Bruno de Carvalho, contra a recusa do presidente da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do clube, Jaime Marta Soares, em aceitar a lista por si encabeçada para as eleições de 08 de setembro e a proibição de realizar campanha.

“Absolver da instância os requeridos Jaime Carlos Marta Soares e a Comissão de Fiscalização do Sporting (…); Condenar o requerido Sporting Clube de Portugal a admitir a apresentação da candidatura integrada pelos requerentes, na qual é mandatário Pedro Proença; Condenar o requerido Sporting Clube de Portugal no pagamento de sanção pecuniária compulsória, que se fixa, em cinco mil euros, por cada dia de atraso na admissão da apresentação da mesma candidatura”, lê-se na decisão, datada da passada sexta-feira.

A decisão reconhece “a possibilidade de apresentação de candidaturas, independentemente, da posterior apreciação da sua admissibilidade, é condição de eleições livres e democráticas”.

Na petição apresentada por Bruno de Carvalho, entre outros argumentos, o antigo presidente ‘leonino’ contesta a recusa da aceitação da lista concorrente às eleições de 08 de setembro, no passado dia 18 de julho, quando os elementos da anterior direção do clube estavam suspensos provisoriamente de sócios.

Entretanto, na passada quinta-feira, a Comissão de Fiscalização do clube anunciou a suspensão por um ano do antigo presidente Bruno de Carvalho, assim como do ex-vice-presidente Carlos Vieira, enquanto Rui Caeiro, José Quintela, Luís Gestas e Alexandre Godinho foram suspensos por 10 meses e Luís Roque foi alvo de repreensão.

Apesar de se mostrar confiante na possibilidade de ir a votos, Bruno de Carvalho admitiu avançar com a lista encabeçada por Erik Kurgy, que, caso seja eleita, o nomeará como representante do clube na SAD ‘leonina’.

Além de Bruno de Carvalho, apresentaram-se como candidatos às eleições Carlos Vieira, antigo vice-presidente do clube, também suspenso, Fernando Tavares Pereira, João Benedito, Dias Ferreira, Pedro Madeira Rodrigues, José Maria Ricciardi, Frederico Varandas e Rui Jorge Rego.

*Artigo atualizado às 14h20

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.