Em entrevista ao jornal A Bola, Bruno Lage explicou o que o levou a tirar Andreas Samaris do onze inicial, na sequência da derrota (0-2) no clássico com o FC Porto, na Luz.

"Temos 26 jogadores no plantel. E depois o importante é ter memória e olhar para o rendimento. Samaris deixou de ser titular, mas foi titular. Não joga na Supertaça, jogam o Tino e o Gabriel no primeiro jogo do campeonato com o Paços de Ferreira, joga ele e o Tino, porque o Gabriel tinha-se lesionado na Supertaça. Joga com o Belenenses e joga com o FC Porto", começou por dizer o treinador do Benfica.

"E a partir desse jogo [com os dragões], não gostei do rendimento. Não é bem não gostar, a equipa não esteve no seu melhor realmente. E não foi só ele, fomos todos a começar por mim. Aliás, fui o principal a não estar bem. Como tal, entendi no jogo seguinte que a equipa precisava de ter um médio diferente. Estávamos a jogar com Tino e Samaris devido à lesão de Gabriel na época passada na Taça com o Sporting e porque que o Samaris tinha feito então é ele quem começa os três primeiros jogos do campeonato. No jogo com o FC Porto, ao intervalo, senti que tínhamos de fazer uma alteração: tirar um dos médios. E optei por tirar o Samaris e meter o Adel Taarabt, que entrou muito bem. No jogo seguinte, dei continuidade", esclareceu.

Bruno Lage justificou que "depois foi a consequência do rendimento", e lembrou que "Samaris voltou a ter outras oportunidades". "Esteve com o V. Guimarães na Taça da Liga, curiosamente também substituído ao intervalo. E fez mais um outo jogo pelo caminho e também jogou com o Portimonense. Gosto de o ver jogar quando defrontamos uma linha de cinco porque ele tem uma coisa que gosto muito: coloca muito bem a bola nas costas da defesa e em profundidade", vincou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.