Instado a lançar a partida com o Marítmo, Bruno Lage comentou a entrada de José Gomes no comando técnicos dos insulares.

"Temos que olhar para o registo do treinador, quer em termos nacionais, quer internacionais. Temos conhecimento do que fez recentemente no Rio Ave, acompanhámos o que aconteceu no Reading. É um treinador que tem jogado em 4-4-2 e em 4-3-3. O importante é entendermos a dinâmica coletiva do grupo, olhar para as características dos jogadores e estarmos preparados para o que pode acontecer."

Eliminação da Champions coloca em causa o aumento do salário?

"Pode ser. Corta-me um bocado do bolo. Em vez de ser um aumento de 4 ou 5 vezes, é só de 1,5. Se você hoje não fizer um bom trabalho não recebe o ordenado por inteiro? Aqui é a mesma questão. A responsabilidade é sempre máxima da minha parte. Têm aqui um homem trabalhador, que chega aqui todos os dias às 8h00 e sai daqui às 19h00 ou às 20h. Às vezes os adeptos ficam à minha espera e não me conseguem ver porque estou a trabalhar. Prometo, até ao último dia, ser trabalhador, sério e tomar sempre as melhores decisões para o clube.

Posição 6 de Gabriel na Alemanha

"A nossa intenção era ter bola e tentar atrair a pressão dos médios contrários para procurar os espaços nas costas. O Gabriel dá-nos maior poder de circulação, juntamente com os dois outros médios. Há situações que não são fáceis de apanhar. Já o vimos a fazer a posição mais vezes, quando procuramos o resultado. O jogador tem as suas competências, mas podemos vê-lo a jogar nessa posição.

Sobre o regresso de Seferovic, Lage confirmou que o dianteiro ainda não está recuperado.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.