Depois da vitória frente ao Portimonense aos 98 minutos, na 5.ª jornada da I Liga, saltou à vista de todos uma conversa mais dura de Sérgio Conceição com Shoya Nakajima. Otávio e Corona tiveram mesmo de intervir, pedindo ao treinador para ter mais calma. O momento deu muito que falar na imprensa e, esta quarta-feira, na antevisão do jogo com o Young Boys, para a 1.ª jornada da Liga Europa, o técnico explicou o que se passou naquele momento.

"São conversas nossas, difíceis... porque ele fala japonês e eu português. Mas ele já está a ter aulas de português", começou por dizer.

"Vocês sabem da minha exigência, da minha entrega, da minha dedicação a mil por cento a este clube. Não me peçam para não ter uma reação que não seja emotiva depois de uma vitória aos 98 minutos. Depois, para acabar com esta conversa... Não basta ter contrato com o FC Porto. É preciso senti-lo. Mas seja o Nakajima, o Sérgio Conceição, o Pedro Amorim [diretor de comunicação], os tratadores de relva... E com isso quero dizer que para representar esta casa, há características que são primordiais. Agora os erros, falhar um golo, errar um passe, todos erramos, . Eu sou o primeiro a errar e a assumir. Mas há características que têm de estar presentes diariamente. A motivação, a ambição, a determinação, o espírito de sacrifício... Isso para mim é fundamental", explicou.

O treino do FC Porto desta quarta-feira ficou marcado por um momento entre Sérgio Conceição e Shoya Nakajima. Depois da corrida de aquecimento, o treinador dos 'azuis e brancos' aproximou-se do japonês, dirigiu-lhe algumas palavras, e colocou-lhe o braço nas costas, num sinal de que a tensão do final do jogo com o Portimonense estará já ultrapassada.

Na terça-feira, imprensa desportiva avançava com uma possível explicação sobre o que terá estado na origem da fúria do treinador portuense com o seu jogador.  Segundo o jornal Record, o técnico do FC Porto considerou que o internacional japonês, contratado esta temporada, demonstrou "uma falta de empenho inadmissível", especialmente no que à tarefa defensiva diz respeito.

A falta de atitude de Nakajima no capítulo defensivo numa altura em que era preciso segurar o resultado, num campo tradicionalmente difícil, desequilibrou a equipa e quem acabou por aproveitar esta displicência do japonês foi o seu compatriota Anzai, lateral esquerdo do Portimonense, que acabou por assinar o segundo golo da equipa da casa precisamente no corredor em que Nakajima estava posicionado.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.