A Direção-geral da Saúde continua a apelar aos adeptos que respeitem as regras sanitárias, no regresso do futebol. Na habitual conferência de imprensa para dar conta da situação da pandemia de COVID-19 em Portugal, Graças Freitas, Diretora geral da Saúde, voltou a pedir aos adeptos que sejam responsáveis, de modo a evitar a propagação do vírus de COVID-19.

"Voltamos a fazer um apelo para que as pessoas cumpram as regras. Se estiveram a assistir aos jogos em espaços fechados, como por exemplo em restaurantes ou cafés, mantenham uma distância mínima de dois metros e usem máscara. E outra coisa muito importante: não partilhem objetos, como copos ou garrafas. Temos feito grande apelo aos adeptos para que, se se juntarem, mantenham distância física e cumpram as regras", explicou.

Graça Freitas tem consciência que "na altura da comemoração dos golos", é normal a emoção onde as "pessoas perdem um pouco a noção do que fazem", por isso, deixa um apelo.

"Sejam exuberantes nos festejos, mas sem se tocarem. Claro que isto não se aplica a quem vive na mesma casa. E mais uma vez faço um apelo ao sentido cívico. Foi uma dura conquista a retoma do campeonato e a tentativa de chegarmos ao fim será bom para todos, mas em segurança para todos. Temos de garantir que o que foi conquistado não pode retroceder devido a comportamentos menos prudentes", voltou a pedir a Diretora-geral da Saúde.

A I Liga portuguesa de futebol regressa na quarta-feira, quase três meses depois de paragem devido à covid-19, para umas últimas 10 jornadas sem público, uma dezena de substituições por jogo a partir, tudo indica, da ronda 27 e testes constantes à COVID-19.

Os 90 jogos em falta vão decorrer maioritariamente durante a semana, com apenas um dia de intervalo entre jornadas (dois da 32.ª para a 33.ª) e em 17 estádios, entre eles a estreante Cidade de Futebol, em Oeiras, palco dos 10 jogos ‘caseiros’ de Santa Clara e Belenenses SAD, os únicos que jogam em campo neutro.

O ‘sprint’ final prolonga-se até 26 de julho, dia previsto para a 34.ª e última ronda, que é a única sem calendário definitivo, pois depende do que, então, estiver por decidir, em matéria de título, apuramentos europeus e descidas.

De todas as alterações, a mais marcante é a ausência de público, a porta fechada a espetadores.

As portas dos estádios estarão fechadas, exceto aos elementos indispensáveis para a realização dos jogos, incluindo as equipas das televisões, que transmitirão em direto todos os jogos, entre a SportTV e a BTV (os do Benfica em casa).

Quanto aos jogadores, serão elegíveis aqueles que passem nos testes à COVID-19, que serão efetuados 24 horas de cada jogo, sendo que, entre jogos espaçados por mais de cinco dias, cada equipa terá de ser submetida a dois testes.

Em campo, os 11 jogadores de cada equipa não atuarão de máscara, obrigatória, porém, para todos os elementos que fiquem no banco dos suplentes, exceção aos treinadores principais, em alguns casos não os ‘reais’, mais os oficiais.

No banco de cada formação, estarão, devidamente separados, um total de nove suplentes, mais dois do que o habitual, pois serão permitidas um máximo de cinco substituições por equipa, em três momentos do jogo e ainda ao intervalo.

Esta medida não entrará, no entanto, em vigor logo na primeira jornada da retoma, a 25.ª, já que o Marítimo fez ‘finca pé’ e ‘obrigou’ a que uma decisão tenha de passar por uma Assembleia Geral da Liga de clubes, marcada para 09 de junho, dia do arranque da ronda 26.

Assim, é possível que nas duas primeiras rondas apenas possam estar no banco os habituais sete suplentes e só de possam efetuar as três substituições da ‘ordem’.

Diferentes, desde quarta-feira, vão ser os festejos, de golos, vitórias ou outros, pois não são permitidos aglomerados entre os elementos das equipas (jogadores, treinadores e restante ‘staff’), beijos ou abraços: umas ‘cotoveladas’ e pouco mais.

Quanto ao ‘produto’ final, tudo se mantém idêntico, com três pontos para os vencedores, um para os que empatarem e nenhum para os que perderem, sendo que, nesta ‘batalha’, o FC Porto arranca na frente, com mais um ponto do que o Benfica.

Sporting de Braga (a 14 pontos da frente), Sporting (a 18), Rio Ave (a 22) e Vitória de Guimarães e Famalicão (ambos a 23), todos demasiado longe dos dois primeiros, após 24 jornadas, deverão lutar pelas três vagas na Liga Europa.

Na corrida pela manutenção, o Portimonense (penúltimo, com 16 pontos) e o Desportivo das Aves (lanterna-vermelha, com 13) partem em desvantagem, com o Paços de Ferreira (antepenúltimo com 22) a surgir imediatamente acima da ‘linha de água’.

A prova arranca na quarta-feira, com dois jogos, e, até ao final da 33.ª e penúltima jornada, só para nove dias (08, 14, 20 e 27 de junho e 02, 07, 12, 16 e 17 de julho). A última ronda, única sem programa final, está prevista para 26 de julho.

Portugal regista hoje 1.436 mortes relacionadas com a COVID-19, mais 12 do que na segunda-feira, e 32.895 infetados, mais 195, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

Em comparação com os dados de segunda-feira, em que se registavam 1.424 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 0,8%. Já os casos e infeção subiram 0,6%.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, onde se tem registado maior número de surtos, há mais 158 casos de infeção (+1,4%).

A região Norte continua a registar o maior número de infeções, totalizando 16.789, seguida pela região de Lisboa e Vale do Tejo, com 11.493, da região Centro, com 3.753, do Algarve (372) e do Alentejo (270).

Os Açores registam 137 casos de COVID-19 e a Madeira contabiliza 91 casos confirmados, de acordo com o boletim hoje divulgado.

*Artigo atualizado às 15h45

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.