O FC Porto recebeu e venceu o Belenenses por 2-0, em jogo da 11.ª jornada da I Liga de futebol, resultado que lhe permite se manter isolado na frente da prova.

Herrera, aos 42 minutos, inaugurou o marcador para os 'dragões', que ampliaram aos 90, por Aboubakar, jogador que está isolado no segundo posto da lista de melhores marcadores com nove golos, menos três do que o comandante, o avançado Jonas, do Benfica.

No final do jogo, Domingos Paciência admitiu que a estratégia traçada para o Dragão era 'jogar um bocadinho com o tempo', mas que o golo de Herrera acabou por definir o rumo do jogo para a segunda parte.

"Fomos a pensar que poderia ser possível fazer pontos aqui, numa estratégia de jogar um bocadinho com o tempo. Entrámos com um bloco baixo. A diferença é que o Herrera faz um golo, o Hassan [Yebda] podia ter feito o empate, o Roni podia ter feito golo antes. Na segunda parte, a equipa esteve melhor, jogou mais no campo todo, voltou a ter mais uma oportunidade pelo Maurides e já na parte final, em que estamos mais preocupados em chegar ao golo, numa transição [o FC Porto] faz o golo no minuto 90. O FC Porto teve mais presença na área, mas não teve grandes situações para dilatar o resultado. Poderíamos ter feito golo e as coisas poderiam ter sido diferentes. Sabíamos os riscos que corríamos. É verdade que depois de jogo de quarta [Leipzig], podia ter sido o momento certo para ganhar pontos no Dragão", começou por dizer Domingos Paciência à Sport TV.

Sobre o golo sofrido na sequência de um pontapé de canto, Domingos Paciência considerou que não foi uma falha da sua equipa.

"Não é uma questão de falha. Não é por mérito do FC Porto que aconteceu. É um desvio do Maurides. A bola sobra para o Herrera e trai o Muriel. Não é um golo de mérito total. Se o Hassan chuta e à distância que estava do José Sá, podia ter feito golo. A eficácia ficou patente no jogo em si. A qualidade faz a diferença", frisou o técnico do Belenenses.

"O jogo levou-nos a pensar que seria possível fazermos pontos. Entrámos com bloco baixo e a ocupar bem os espaços. A diferença é o que Herrera marcou e o Hassan, num lance idêntico, podia ter feito o empate e não o fez. O Roni também teve uma excelente oportunidade para marcar. Na parte final já estávamos mais preocupados em chegar ao golo, e numa transição fizeram o golo ao minuto 90. Às vezes são estes pormenores e esta eficácia que fazem a diferença. As coisas poderiam ter sido diferentes se tivéssemos aproveitado as nossas oportunidades", disse ainda Domingos Paciência.

"Tínhamos consciência dos riscos que corríamos tendo em conta os resultados do FC Porto em casa. No entanto, se tivéssemos uma postura adequada e conseguíssemos impor a nossa estratégia, podíamos surpreender. O desgaste do FC Porto poderia originar o momento certo para levar pontos daqui. Os minutos dos golos marcaram-nos muito", sentenciou Domingos Paciência.

A vitória garante ao FC Porto o fechar da jornada na liderança com 31 pontos e com pelo menos dois pontos de vantagem para o Sporting - é segundo a cinco, mas com o seu jogo da ronda ainda por disputar -, enquanto o Belenenses é sétimo com 16.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.