Desperdício de golos. É desta forma que se pode qualificar a performance dos minhotos frente aos sadinos de Manuel Fernandes. Os Guerreiros do Minho estiveram melhor no segundo tempo, mais pressionantes, mas a finalização nos momentos certeiros foi o pior inimigo do vice-campeão nacional.

Na primeira parte, a melhor oportunidade de golo esteve nos pés de Lima, que rematou forte, aos 22 minutos, obrigando o guardião Diego a uma boa defesa. Já em tempos de desconto do primeiro tempo, o ex-Belenenses, isolado perante o guardião do Setúbal, enviou a bola para as nuvens.

No segundo tempo chegou o festival de desperdícios de golos para os minhotos, os mais sonantes aconteceram ao minuto 50, após um centro de Matheus, Paulo César no coração da área, cabeceou sobre a barra, e ainda ao minuto 65, quando o mesmo Matheus recebeu a bola dentro da área, rodopiou sobre um adversário e conseguiu o remate, mas Diego com uma grande intervenção, anulou a felicidade arsenalista.

Destaque ainda para o guardião dos sadinos, Diego, que foi uma peça fundamental no impedimento de golos dos minhotos.

No final dos 90 minutos, Domingos Paciência teve um ´déjà vu´, pois, na época passada, também não foi além de um empate a zero, no Estádio do Bonfim, na segunda volta da I Liga.

Este empate poderá fazer com que os minhotos percam a liderança do campeonato, podendo abalar a estabilidade emocional a poucos dias do encontro com o Sevilha, a contar para a segunda mão do Play-off de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões. Os bracarenses levam para a Andaluzia um golo de vantagem.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.