José Mota, treinador do Paços de Ferreira, foi duro para com a sua equipa na conoferência de imprensa que se seguiu ao desaire caseiro com o Marítimo, que deixou os pacenses no último lugar da classificação da I Liga.

"Falhou muita coisa. Quero dizer que a primeira parte foi muito má em todos os aspetos. Não vale a pena tapar o sol com a peneira. É um facto. Pior do que fizemos na primeira parte deve ser quase impossível. Temos de ter este sentimento. Foi mau em muitos aspetos", começou por dizer.

"Devíamos ter sido mais agressivos, sofremos o golo de forma infantil. Nunca fomos uma equipa organizada nem tivemos atitude mental para mudar o jogo. Os primeiros 45 minutos foram maus. A equipa não teve convicção nem ambição. Estávamos a perder justamente", sublinhou.

"A segunda parte foi completamente diferente. Não só pelas alterações. Fomos mais rigorosos, mais convictos, tivemos atitude e abordagens diferentes aos lances. Tivemos mais bola, fomos mais organizados e conseguimos uma série de remates. Fomos diferentes", apontou, contudo, antes de lamentar não ver neste Paços a mística de outros tempos.

"Estamos a perder identidade, uma coisa que custa tanto a ganhar. Estamos a perder a mística, o que é o Paços. Preocupa-me que isso se perca jogo após jogo. Este jogo era de extrema importância. Houve ansiedade, mas não só. Houve falta de atitude. Porquê? Temos de vencer os duelos e quem ganhou os duelos foi o Marítimo. Trabalhámos os lances de bola parada, mas esse momento exige concentração. Como é que queremos ganhar? Só quisemos ganhar na segunda parte", terminou o técnico que regressou recentemente ao comando técnico dos 'castores', mais de 14 anos depois da sua última passagem pelo leme do clube que já orientou por nove temporadas no passado.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.