O padre José Luís Borga recordou a infância, tempo em que Eusébio, juntamente com Amália Rodrigues eram as grandes figuras de Portugal.

"O Eusébio era o nosso subsídio. Eu sou do tempo em que o Benfica ganhava tudo. A minha infância foi sempre a vibrar com o Eusébio e com o Benfica em particular.

O pároco falou da admiração que o país tinha e sempre teve por Eusébio e por Amália Rodrigues.

"Eusébio era admirado desde o Mundial [Inglaterra 1966], se fosse neste tempo era logo contratado por um grande clube europeu. Portugal foi justo com as suas duas figuras, Amália e Eusébio.

"Internamente é uma figura unanime, externamente falar de Portugal é falar da Amália e do Eusébio. Eram o nosso cartão-de-visita".

Para José Luís Borga, Eusébio é uma figura incontestável e irrepetível.

“Ninguém no Sporting e no Benfica contesta a figura que foi Eusébio, se há figura que não tem contestação, é a figura do Eusébio, não vejo como estar em desacordo com esta decisão”.

"É irrepetível, porque a história e irrepetível. Fez-se justiça, sobretudo quando temos pessoas a passar dificuldades, faz-nos bem termos Eusébio como referência".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.