FC Porto e Benfica vão medir forças esta segunda-feira (21h00) no Estádio do Dragão, para a 14.ª jornada da I Liga. Estando longe de ser um duelo decisivo, este clássico afigura-se como muito importante para as duas equipas, com o vencedor a sair do Dragão como principal perseguidor e ameaça ao Sporting, que neste momento lidera o campeonato com quatro pontos de vantagem.

Na época transata, quando as duas equipas se encontraram na 20.ª jornada, também no Dragão, o cenário era outro.  A equipa 'encarnada', então orientada por Bruno Lage chegava a este clássico com sete pontos de vantagem para os 'azuis e brancos', que não tinham outra alternativa senão vencer.

Num duelo eletrizante entre 'águias' e 'dragões', o FC Porto acabou por vencer por 3-2, dando início a uma recuperação sensacional que culminou na conquista do título de campeão nacional. A equipa de Sérgio Conceição foi agressiva e soube expor as fragilidades defensivas da equipa de Bruno Lage durante a primeira parte, tendo sido recompensada com três golos. Carlos Vinícius bisou e ainda deu ao Benfica a esperança de um resultado diferente, mas sem sucesso.

Veja o resumo do clássico

Como tudo aconteceu

Após um mês afastado dos relvados, Pepe entrou diretamente do boletim clínico para o onze do FC Porto, com Corona a lateral direito e Otávio à sua frente, Telles e Luis Díaz na esquerda, e Marega a fazer dupla com Soares no ataque. Com Weigl recuperado,  o Benfica apresentou-se num 4x2x3x1, com Pizzi e Rafa pelos flancos e Chiquinho nas costas de Vinícius.

Os dragões não precisaram de muito tempo para assumir as rédeas do jogo, com as suas linhas muito subidas para pressionar o adversário na sua zona de construção. Já depois de uma primeira ameaça, num cabeceamento de Pepe ao lado, a equipa de Sérgio Conceição chegou à vantagem logo aos 10 minutos, na sequência de um livre cobrado por Otávio, em que Luis Díaz ainda falhou um pontapé acrobático, mas eis que surgiu Sérgio Oliveira a rematar de primeira para o 1-0.

O Benfica reagiu bem ao golo sofrido e demorou apenas oito minutos para fazer o empate. Rafa cruzou para a grande área, Chiquinho, de cabeça, obrigou o guarda-redes Marchesín a uma grande defesa, mas incompleta. A bola sobrou para a recarga de Vinícius, que repôs a igualdade. O lance ainda foi verificado posteriormente pelo VAR, mas validado.

18 minutos volvidos e já havia um golo para cada lado, o que contribuiu para aumentar, sobremaneira, os níveis de tensão do jogo, principalmente nos momentos finais da primeira parte. Ainda assim, o FC Porto mostrava-se menos nervoso e continuava a trocar melhor a bola, desenhando jogadas de perigo através da ala direita - e aqui nota-se a falta que Cervi fez no apoio defensivo a Grimaldo.

Aos 38 minutos, Artur Soares Dias assinalou penálti por mão na bola de Ferro e Alex Telles, exorcizando os fantasmas portistas após o jogo com o SC Braga, não desperdiçou a oportunidade. Minutos depois, um lance infeliz por parte de Rúben Dias acabou por dilatar a vantagem dos 'dragões'. Num remate de Marega, o defesa central dos lisboetas antecipou-se a Soares e acabou por desviar a bola para dentro da própria baliza, apanhando Vlachodimos desprevenido.

O intervalo foi benéfico para o Benfica, que regressou ao jogo mais sereno e estruturado na sua construção de jogo. Aos 50' Vinícius, servido por Rafa, bisou e relançou o desafio. E o FC Porto começou a acusar alguma intranquilidade, apenas respondendo através de um livre de Sérgio Oliveira, por cima.

Bruno Lage decidiu arriscar e lançou Seferovic para o ataque, tirando Taarabt. Mais tarde promoveu a estreia de Dyego Sousa, com a pressão dos encarnados a intensificar-se. Mas o FC Porto, com um meio-campo extremamente equilibrado entre Otávio, Uribe, e Sérgio Oliveira, que acabou por fazer o seu melhor jogo da época, soube segurar a vantagem até ao fim.

Na classificação, o Benfica, que somava 16 triunfos consecutivos na prova e 19 fora, contando os últimos nove de 2018/19, manteve-se com 54 pontos, enquanto os comandados de Sérgio Conceição passaram a somar 50. E na próxima jornada haverá dois testes de fogo para ambas as equipas, com os campeões nacionais a receberem o SC Braga e os portistas a visitarem o Vitória de Guimarães.

Quase um ano depois, FC Porto e Benfica voltam a encontrar-se no Dragão, para a 14.ª jornada, num contexto diferente daquele que sucedeu em 2019/20, mas que também promete grandes emoções. O pontapé de saída está marcado para as 21h00 desta sexta-feira.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.