O sindicato internacional de futebolistas profissionais (FIFPro) declarou hoje apoio aos jogadores do Nápoles, contra “abusos e intimidações” e após o clube impor uma redução salarial.

O presidente do Nápoles, Aurélio de Laurentiis, ordenou que uma parte do salário mensal fosse deduzida, até 50%, após a recusa dos jogadores em se manterem em 05 de novembro estágio em Castel Volturno, depois de três jogos sem ganharem.

Depois disso, a equipa continuou sem ganhar, acumulando desde 27 de outubro, seis empates e uma derrota.

O dirigente dos napolitanos pretendia a permanência dos jogadores em estágio, após o empate com o Salzburgo, na Liga dos Campeões, e, de acordo com a imprensa, a retenção do salário ordenado por De Laurentiis pode chegar aos 2,5 milhões de euros.

“A FIFPro está preparada para ajudar, em colaboração com o Sindicato italiano, assegurando que os futebolistas não serão sujeitos a abusos e intimidações”, informou o organismo internacional, em comunicado.

O Nápoles, equipa em que joga o internacional português Mário Rui, recebe no domingo o Bolonha, em jogo da 14.ª jornada da Série A Italiana, na qual segue em sétimo lugar, a 15 pontos da líder Juventus.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.