No início de novembro, o Benfica blindou João Félix com uma cláusula de rescisão de 120 milhões de euros e um contrato até 2023, depois de ter feito a estreia pela equipa principal.

O jovem de 19 anos sublinha que este valor lhe "traz responsabilidade", mas que o mesmo não tem utilidade alguma, caso não mostre agora valor dentro de campo.

"É um valor um bocado alto, que traz mais responsabilidade, mas é só um número. Se eu não fizer nada bem lá dentro, isso da cláusula é tanga. Primeiro tenho de fazer alguma coisa dentro de campo, para depois a cláusula ter algum sentido", garantiu, em entrevista à revista Visão.

João Félix esteve seis épocas na formação do FC Porto e esclareceu que a sua decisão de em 2015 rumar ao Benfica não partiu da estrutura azul e branca.

"Não fui dispensado, foi uma decisão minha", atirou "o menino 120 milhões", nome pelo qual é conhecido, em tom de brincadeira, no balneário do Benfica.

O camisola 79 dos 'encarnados' sublinhou que Jonas, melhor marcador do campeonato na época passada, teve um papel fundamental na sua integração na equipa principal.

"Foi dos primeiros a integrar-me e está sempre em contacto comigo", salientou João Félix, referindo ainda que não sente pressão nenhuma a jogar futebol.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.