O treinador do Boavista afirmou este sábado que a sua equipa vai "tentar ganhar" em Paços de Ferreira na segunda-feira, num jogo da 12.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, apesar de ter sete baixas.

"Vamos fazer o nosso jogo e tentar ganhar. Se não conseguirmos ganhar, o nosso lema é pelo menos não perder. Jogar para empatar não faz muito o meu sentido", salientou Miguel Leal quando fazia para a comunicação social a antevisão desse jogo.

O Boavista prepara embate com Paços de Ferreira numa privado dos lesionados Mohamed Daf, Tiago Mesquita, Fábio Espinho e Aghayev e dos castigados Henrique, Idris e Bukia.

Fábio Espinho "vai ficar parado um tempinho", por estar lesionado numa anca, e o mais provável é que o guarda-redes Aghayev não jogue, igualmente devido a uma lesão, mas Miguel Leal não muda o seu discurso.

"Digo sempre que antes quero empatar que perder, mas em todo os jogos temos de entrar com a mentalidade para ganhar. Disse isso hoje no balneário", frisou.

O técnico admite que "um grupo com tantas alterações se sinta mais fraco".

"Também é verdade que temos sempre mais capacidade do que julgamos ter e às vezes há surpresas pelo meio. Quando digo surpresas é aparecer um jogador e aproveitar a oportunidade e até, se calhar, daqui para ser frente ser uma opção credível", explicou.

Um tão elevado número de ausências, contudo, "é uma preocupação para toda a gente", mas Miguel Leal diz que é preciso "encontrar o caminho para a frente" e pôr de lado as lamentações.

O treinador axadrezado também é de opinião que o moral da equipa não foi atingido por estas contrariedades. " Temos uma dinâmica interna muito sustentada no que toda a gente tem que saber fazer no campo e treinamos isso constantemente, mesmos com os que jogam menos vezes".

Reforçou que a "dinâmica" adquirida pela equipa "pode superar algumas dificuldades" momentâneas. Miguel Leal disse que procurou transmitir "confiança a quem está" disponível.

"Trabalhamos todos os dias para isso. Qualquer treinador gosta de ter toda a gente ao seu dispor, porque assim está na máxima força, mas não sendo possível tem que fazer com que os que joguem estejam melhor preparados", referiu.

O treinador espera "um bom adversário, com caraterísticas fortes" e que esta semana foi alvo de uma "chicotada psicológica", com a saída do treinador Carlos Pinto.

Miguel Leal que "isso tem sempre a ver com o aspeto psicológico, que se pode traduzir num jogo mais determinado".

"Não temos que estar preocupados com isso, porque isso nós não controlamos. Controlamos a nossa prestação e é nisso que temos de nos focar, fazer o nosso jogo, com as nossas ideias, tentar sermos fortes nessa forma de jogar e a partir daí ver o que o adversário nos vai fazer", sustentou.

O Boavista, 11.º classificado, com 13 pontos, desloca-se a Paços de Ferreira para medir forças com a equipa local, 15.º, com dez pontos, num jogo da 12.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol marcado para segunda-feira, às 20:00, e que será dirigido por Artur Soares Dias, da Associação de Futebol do Porto.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.