Jorge Jesus negou que tenha saído do Benfica devido a questões salariais. Em entrevista a SIC Notícias, o agora técnico do Sporting compreende a opção da estrutura do Benfica em mudar.

"O Benfica tem todo o direito de mudar a sua política desportiva. A minha decisão de sair nada teve a ver com a essa mudança de política desportiva. E também não teve a ver com dinheiro. O Benfica nunca me propôs a redução da massa salarial, ou seja, não foi por questões financeiras que não fiquei. Em todos os anos que renovei foi para ganhar sempre o mesmo", disse o técnico, falando que até podia ter saído para o estrangeiro.

"Tinha propostas de fora de Portugal e não há comparação possível. Propostas de bons clubes, mas não daqueles que normalmente lutam para ganhar a Champions, que é um dos meus sonhos. Ganhei tudo em Portugal, estive em duas finais da Liga Europa e nunca numa final da Champions, posso sonhar. Se tivesse de olhar por carreira financeira tinha ido para o estrangeiro", atirou o técnico. Jesus falou ainda do seu trabalho no Benfica nos últimos seis anos.

"Não fui só eu que mudei o Benfica, foram também as pessoas que trabalharam comigo ao longo destes seis anos. Connosco, o Benfica voltou a ganhar a sua identidade, na Champions é cabeça-de-série. Tirando esta época, o Benfica foi sempre a equipa portuguesa que mais contribuiu para o ranking da UEFA", atirou.

Questionado sobre a estrutura do Benfica, Jesus sublinhou que quando chegou aos ´encarnados`, os dirigentes já lá estavam. Com a diferença de que antes a equipa não ganhava.

"Antes de chegar ao Benfica, o FC Porto tinha a hegemonia [do futebol português], depois isso acabou. Mas atenção, são as vitórias que alimentam as estruturas. O FC Porto tem a mesma estrutura há vários anos, ganhava sempre mas depois deixou de ganhar", atirou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.