O Benfica perdeu o 'Clássico' do último domingo frente ao FC Porto e caiu para o segundo lugar, mas isso não tira esperança a Keaton Parks, que ainda acredita na conquista do pentacampeonato.

"Acreditamos que o título ainda é possível. Claro que agora ficou mais difícil mas todos pensamos que sim: ainda podemos ser campeões", assegurou o norte-americano em entrevista ao jornal Record.

O camisola 55 chegou esta temporada ao clube da Luz, mas em Portugal também já jogou no Varzim, onde chegou na época 2015/16. O médio referiu que os primeiros tempos no futebol português foram difíceis, muito por causa da distância em relação aos familiares e amigos.

"Sempre desejei ser jogador de futebol, comecei com uns 4 anos. Quando era miúdo também joguei basebol e basquetebol mas estive sempre focado no futebol. Desde muito cedo pensava em ser profissional e em vir para a Europa", começou por dizer o jogador de 20 anos.

"Houve uma fase complicada nos juniores do Varzim. Estive um tempo lesionado, não podia jogar e nessa altura senti falta de casa, da família e dos amigos, com quem estou em contacto através da internet, mas nunca me passou pela cabeça desistir, nunca deixei de acreditar nas minhas capacidades", acrescentou Parks, referindo que teve sempre o apoio da família quando tomou a decisão de rumar ao futebol europeu.

Treinos intensos e apoio dos colegas mais velhos

Keaton Parks começou esta temporada a jogar pela equipa B do Benfica, mas Rui Vitória foi chamando o atleta aos treinos da equipa principal, pela qual também já se estreou. A intensidade dos treinos do plantel às ordens de Vitória impressionou o jovem de 20 anos.

"É tudo mais intenso. Nos 'bês', parece que estamos a trabalhar cada um por si mesmo porque o objetivo é chegar aos A. O plantel principal luta para ser campeão e só é possível pensando como equipa. Aqui os treinos são muito mais intensos do que nos EUA", referiu o norte-americano, que contou que o apoio dos colegas mais velhos é fundamental:

"Eles acolhem-nos muito bem. Não sei se nos veem como concorrência ou como alguém que está a começar e quer aprender. Tratam-nos muito bem e dão conselhos. Por exemplo, o Seferovic grita muito comigo, mas também não sei se ele faz isso porque fala inglês como eu", contou Parks, antes de falar sobre o guarda-redes Júlio César.

"Cresci a ver o Júlio César na seleção do Brasil, a disputar os Mundiais, e de repente estou a treinar com ele. Ao princípio até fiquei envergonhado mas depois passou. Ele é muito simpático e dá conselhos aos mais novos", afirmou o médio que falou ainda de Luisão: "É um grande líder. Todos o respeitam muito e é uma excelente pessoa. Está sempre a dizer-nos o que temos de melhorar e como devemos agir."

A estreia de Keaton Parks na equipa principal aconteceu a 17 de dezembro do ano passado, num jogo frente ao Tondela.

"Estava um pouco nervoso mas depois passou. Foi o realizar de um sonho. Senti-me como se estivesse num filme, com todas aquelas luzes, os adeptos a cantar... foi fantástico", disse Parks, que ainda não marcou no estádio da Luz, depois de ter cumprido o sonho de jogar na casa dos 'encarnados':

"Estou ansioso por marcar um golo no Estádio da Luz! Quero ouvir os 50 mil adeptos a gritarem o meu nome quando o conseguir."

O médio norte-americano referiu ainda que espera conquistar muitos títulos com a camisola do Benfica.

"Gostava um dia de jogar no Barcelona ou no Liverpool mas por agora só penso no Benfica. Quero ser campeão na Luz, quero ganhar muitos títulos aqui", garantiu.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.