O Benfica recebeu e venceu o Desportivo de Chaves por 3-1, em jogo da 23.ª jornada da Liga. Um bis de Mitroglou e outro golo de Rafa deixam os ´encarnados` seguros na liderança, espera do que faz o FC Porto. Bressan fez o tento do Chaves.

Para este encontro com o Chaves, Rui Vitória escalou Samaris no lugar do lesionado Fejsa. Jonas ficou no banco. Já no Chaves não podia contar com Ponck, jogador-chave do onze e que está emprestado pelos ´encarnados`, logo não podia atuar contra a sua equipa, à luz dos regulamentos. A equipa flaviense chegou à Luz para disputar os três pontos. Uma equipa que está a fazer um campeonato fantástico, que eliminou o FC Porto e o Sporting da Taça. De recordar que as duas equipas jogaram na noite desta sexta-feira já que vão entraram em ação a meio da semana, para a primeira mão das meias-finais da Taça. O Benfica visita o Estoril na terça-feira, enquanto o Chaves vai a Guimarães.

Os ´encarnados` entraram fortes no encontro, com Pizzi a dar o primeiro sinal, num remate que bateu em Mitroglou (o grego estava em posição irregular). Já o Chaves, no seu 4-4-2, nunca perdeu a identidade. A equipa ficou sem Assis e Batagglia, dois médios que eram titulares, mas continua a jogar em todo o campo, principalmente pelas alas. Ederson foi obrigado a intervenções de bom nível para negar o golo a Fábio Martins em duas ocasiões.

Aos 18 minutos surge o primeiro golo da noite. Nelson Semedo cruzou na direita, Mitroglou saltou e cabeceou para o fundo das redes. O lance foi muito contestado já que parece ter havido falta do grego, que empurrou um defensor flaviense antes de chegar à bola. Nuno Almeida mandou seguir, apesar dos protestos dos flavienses.

O Chaves podia ter marcado dois minutos depois mas o remate de Fábio Martins saiu por cima. O jovem extremo emprestado pelo SC Braga estava em boa posição para fazer golo. Antes deste golo já Mitroglou podia ter marcado em mais duas ocasiões mas o grego não acertou com a baliza. O Chaves ia tendo muito espaço para atacar, sempre com bola no pé passes curtos quando necessário, sem pontapés para a frente. E isso criava dificuldades ao Benfica que defendia com poucas unidades, principalmente quando perdia a bola perto da área adversária. Fábio Martins era uma dor da cabeça, principalmente para Nelson Semedo, a quem ganhou várias vezes no um-para-um. O extremo optava sempre por cortar para dentro, criando muito perigo junto à baliza do Benfica.

De tanto ameaçar que o Chaves marcou mesmo. Aos 44 minutos, Perdigão desceu pela direita, descobriu Bressan à entrada da área. O médio rematou de primeira, colocado, fazendo um golaço. Ederson, desta vez, nada poderia fazer. Só que, de volta ao jogo após o intervalo, o Benfica chegou logo ao 2-1 aos 49 minutos, por Rafa Silva, a encostar para golo após passe de Nelson Semedo.

O golo deu muita confiança ao Benfica e abalou o Chaves. A equipa de Rui Vitória dispôs de boas oportunidades para marcar, por Mitroglou, Zivkovic e Jonas mas os homens da frente do Benfica não conseguiram acertar no alvo. Por esta altura já Jonas estava em campo. Mais tarde entraram Filipe Augusto e Cervi.

Os 53.810 espectadores que estiveram no Estádio da Luz apanharam um calafrio quando, aos 82 minutos, Pedro Tiba encheu o pé à entrada da área mas Ederson voou e desviou para canto. Um remate que levava selo de golo. E já com o Benfica claramente em dificuldades e com o Chaves mais atrevido, os ´encarnados` vão ´matar` o jogo aos 89 minutos por Mitroglou. O grego aproveitou um corte defeituoso de Nuno André Coelho para encher o pé dentro da área e fazer o seu 13.º golo na Liga.

O Chaves deu boa luta, mostrou bom futebol mas sai derrotado da Luz, tal como aconteceu na última visita, em 1999, quando perdeu por 4-1. A vitória deixa o Benfica ´descansado` na liderança com mais quatro pontos que o FC Porto, que só joga no domingo frente ao Boavista.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.