"O Sporting aposta forte nas competições todas. Este é um jogo diferente porque é a eliminar, mas cumpre-nos fazer o nosso papel e ter a ambição de ser a equipa contemplada com a passagem à próxima fase", afirmou Carlos Carvalhal na conferência de imprensa realizada esta tarde na Academia de Alcochete.

O técnico desvalorizou a importância da derrota sofrida com o Sp. Braga na antecâmara do clássico contra o FC Porto. "Foi uma derrota onde toda a gente também perdeu, por isso não foi uma situação extremamente anormal. Creio que fomos a equipa que criou mais dificuldades ao Braga. Sentimos capacidade para discutir o resultado com qualquer adversário. Temos melhorado muito em termos de qualidade de jogo, a equipa está sólida e tem evoluído", frisou o treinador leonino, acrescentando: "Esperamos que a equipa possa corresponder amanhã com a consciência de que alguém ficará de fora no final do jogo."

Questionado sobre uma eventual pressão maior para a sua equipa pelo facto de a Taça de Portugal ser uma das competições que está mais ao alcance do Sporting, Carlos Carvalhal não se mostrou preocupado com essa situação: "Estou completamente fora da pressão, direccionado para o trabalho e para os meus jogadores. Sinto a pressão do dia-a-dia de ajudar o Sporting."

O técnico não hesitou também em tecer elogios ao FC Porto, apesar do menor fulgor dos dragões nos últimos jogos: "Vamos defrontar um adversário fortíssimo. Temos consciência de que no sorteio nos saiu o adversário mais difícil. A minha equipa tem condições de disputar o jogo. Não há favoritos no clássico. Tenho a convicção de que o FC Porto vai defrontar uma equipa forte e prevejo que possa ser muito equilibrado."

Carvalhal admitiu ainda que a equipa treinou os penáltis. "É uma preocupação constante. É uma situação de jogo, tal como os cantos e os livres", sublinhou, sem relevar muito o assunto. 

Os leões atravessam um ciclo infernal com nove jogos no espaço de um mês, algo que o treinador leonino encara com alguma apreensão, sobretudo com as diferenças de calendário para alguns rivais. "O Sp. Braga tem a vantagem de só estar em duas competições. O problema não é jogar de dois, três ou quatro dias. O problema é que as equipas não partem todas em pé de igualdade. Há equipas que tem seis ou sete dias para preparar e outras só têm três", vincou.

Confrontado com um possível relaxamento da equipa até ao final do campeonato devido à desvantagem de 15 pontos para o topo da classificação, o treinador do Sporting não admite sequer equacionar essa situação. "Quem não tem motivação para jogar num clube como o Sporting mais vale não jogar futebol. É isso que nós não podemos deixar que aconteça. Temos de encarar os jogos com sentido de responsabilidade, para vencer os jogos até ao final do campeonato."

A finalizar, o técnico deu as "boas-vindas" a Pedro Mendes e deu a entender que o plantel ficou completo com a sua chegada: "Temos dois jogadores por posição, por isso acabámos por preencher todos os espaços que tínhamos, dentro do mínimo exigível para atacar todas as competições."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.