João Félix foi oficializado esta quarta-feira como novo jogador do Atlético de Madrid, que pagou a cláusula de rescisão de 120 milhões de euros. O anúncio foi feito esta quarta-feira, através da rede social Twitter, numa publicação na qual o emblema 'colchonero' apresenta o jovem avançado como seu mais recente reforço, fazendo uso de um vídeo no qual aproveita para celebrar o aniversário do Museo Nacional del Prado.

De referir que João Félix assinou um contrato válido para as próximas sete temporadas, ou seja, até 2025/26. Num comunicado no site oficial da Internet, os ‘rojiblancos' dão as boas-vindas ao internacional português, de 19 anos, referindo ainda que o ex-avançado do Benfica passou nos exames médicos antes de assinar.

“João Félix é o novo jogador 'rojiblanco'. O Atlético de Madrid e o Benfica chegaram a um acordo para a transferência do jovem futebolista português. O avançado, que passou nos exames médicos na Clínica Universidade de Navarra, assinou o seu novo contrato com o nosso clube para as próximas sete temporadas”, pode ler-se.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os 'encarnados' informam que o Atlético de Madrid “pagará a pronto um valor de 30 milhões de euros e que a Benfica SAD efetuará uma operação de desconto sem recurso dos restantes 96 milhões de euros, sendo os custos financeiros associados a esta operação de seis milhões de euros”.

Na nota, é detalhando ainda que, “desta forma, a Benfica SAD garante o recebimento do montante de 120 milhões de euros no momento da transferência do jogador”.

“Por último, de referir que os encargos com os serviços de intermediação relativos a esta transferência ascendem a 12 milhões de euros e que o Club Atlético de Madrid, SAD será responsável pelo pagamento do valor do Mecanismo de Solidariedade devido a clubes terceiros, o qual não poderá ser deduzido ao montante da transferência acordado com a Benfica SAD acima mencionado”, conclui o documento.

Depois de ter feito parte da formação no FC Porto, com passagens pelo Dragon Force e pelo Padroense, equipas ligadas aos 'dragões', Félix, de 19 anos, chegou ao Benfica em 2015/16, para a equipa de juvenis.

Esta temporada, o avançado estreou-se pela equipa principal, ao serviço da qual fez 43 encontros e marcou 20 golos, tendo ainda feito a estreia pela seleção portuguesa, na Liga das Nações.

Transferência recorde em Portugal

Trata-se da transferência mais cara do futebol português até hoje, quebrando o que sucedeu com Hulk em 2012, que transferiu para o Zenit a troco de 60 milhões de euros. Ou seja, o jogador português pulveriza completamente esse valor e muda-se para a capital espanhola.

Em relação às transferências mais caras no clube encarnado, o mais caro até ao momento tinha sido Witsel, que se transferiu para o Zenit por 40 milhões de euros, o mesmo valor pago pelo City pelo guardião Ederson. João Félix passa assim a ser o jogador mais caro da história do futebol português. Os 120 milhões de euros superam mesmo o valor que a Juventus pagou por Cristiano Ronaldo.

Os números da transferência

João Félix entrou hoje para o ‘top-5’ dos futebolistas mais caros da história, depois de o Atlético de Madrid ter pagado os 120 milhões da cláusula de rescisão do contrato com o Benfica.

O jovem jogador, de 19 anos, tornou-se mesmo o português mais caro da história, ultrapassando os 100 milhões de euros que a Juventus pagou por Cristiano Ronaldo ao Real Madrid, em 2018/19.

A transferência de João Félix igualou os 120 milhões pagos pelo FC Barcelona ao Liverpool pelo brasileiro Philippe Coutinho, embora a mudança do médio para a Catalunha possa ainda chegar aos 160 milhões, uma vez que se tratava de um contrato por objetivos.

Destacado no topo da tabela das mais caras transferências de sempre continua o brasileiro Neymar, depois de, há duas épocas, o Paris Saint-Germain ter acionado a cláusula de rescisão do contrato com o Barcelona, que ascendia de 222 milhões de euros.

Na mesma temporada, os parisienses contrataram o avançado francês Kylian Mbappé ao Mónaco, mas através de um empréstimo com obrigação de compra no final da época, por 145 milhões de euros, mais 35 em valores variáveis.

Os franceses Ousmane Dembélé, que se transferiu do Borussia Dortmund para o Barcelona, e Paul Pogba, que trocou a Juventus pelo Manchester United, custaram 105 milhões de euros, cada, aos quais podem acrescer também variáveis.

Já neste defeso, o belga Eden Hazard deixou o Chelsea para rumar ao Real Madrid, que pagou 100 milhões pelo seu ‘passe’, o mesmo valor que os 'merengues' tinham despendido para 'resgatar' o galês Gareth Bale ao Tottenham.

O único jogador com duas presenças no 'top-10' das transferências mais caras é Cristiano Ronaldo, que, em 2009, já tinha trocado o Manchester United pelo Real Madrid, por 94 milhões de euros.

A transferência mais cara da história do futebol português também traz dividendos ao FC Porto. Os dragões podem encaixar uma verba que ronda os 1,2 milhões de euros, por direitos de formação. O jogador representou os azuis e brancos entre os 12 e os 15 euros. Já Jorge Mendes pode receber cerca de 12 milhões de euros.

Desmentidos em relação a negociações

Antes de ser oficializada a contratação de João Félix, o Benfica garantiu que não estava a negociar com o Atlético de Madrid e que não iria conceder cerca de 30% da operação ao empresário Jorge Mendes. O Benfica fez 'finca pé', garantindo que o jogador só sairia por 120 milhões de euros.

Adeptos e treinadores pediram que o jogador permanecesse mais um ano

Foram vários os comentadores, adeptos e treinadores que aconselharam João Félix a permanecer, pelo menos, mais um ano no emblema encarnado. Até o treinador do Benfica Bruno Lage fez apelo. Mas a coqueluche acabou por não resistir aos milhões e aos apelos do Atlético de Madrid. Uma dessas vozes foi a de Fernando Santos, que convocou o jogador recentemente para a Liga das Nações. O técnico deu mesmo os exemplos de André Silva, Renato Sanches e João Mário.

"Acho que muitos jogadores jovens ganhariam em não ter tanta pressa de sair, mas eu não critico os que optam de forma diferente. Nem os jogadores, nem os clubes que os deixam sair, com enormes proveitos financeiros. É muito difícil julgar. Na minha perspetiva, o João beneficiaria muito em ficar. Joga numa equipa grande, terá oportunidade de jogar na Champions. Temos exemplos que justificam também esta opinião. O João Mário, o Renato Sanches e o André Silva", explicou.

Fair-Play Financeiro trava interesse do City em João Félix

O Manchester City foi o primeiro clube a chegar-se à frente por João Félix. Vários elementos do emblema britânico observaram o avançado em encontros no estádio da Luz. Parecia ao que tudo indicava o clube para onde iria a jovem pérola das águias, mas o valor da cláusula fez recuar os citizens. O incumprimento no que diz respeito ao 'Fair-play' financeiro esfriou o interesse do City depois do Benfica ter dado o aviso de que o jogador só sairia pelo valor da cláusula: Cerca de 120 milhões de euros.

A outra forma como o Atlético de Madrid 'passou a perna' ao Manchester City

Esta quarta-feira, o avançado de 19 anos do Benfica foi oficializado como jogador dos espanhóis do Atlético de Madrid. No entanto, quando João Félix começou a 'dar nas vistas' a nível europeu, o Manchester City foi um dos primeiros 'gigantes' a mostrar interesse no jovem jogador. O que aconteceu, afinal?

Segundo as primeiras informações avançadas pela imprensa desportiva portuguesa, era o Manchester City que estava na linha da frente pela contratação no número 79 do Benfica.

Os citizens tinham o negócio praticamente fechado com o clube da Luz e tinham feito saber que estariam disponíveis a pagar 100 milhões de euros pela contratação de João Félix, menos 20 milhões que o valor fixado por Luís Filipe Vieira.

No entanto, o Manchester City aceitava que João Félix ficasse no Benfica mais uma temporada e ficava ainda responsável pelo pagamento de uma parte do salário do jovem avançado, que subiria para os cerca de cinco milhões de euros por ano.

Esta seria a proposta que mais agradava aos responsáveis do Benfica, deixando assim para trás os negócios apresentados por Manchester United e Atlético de Madrid, que não incluíam o empréstimo de Félix.

O negócio estava assim encaminhado no final do mês de junho, quando o Atlético de Madrid voltou 'à carga'. Depois de inicialmente propor 60 milhões de euros, mais 20 por objetivos, o emblema espanhol mudou de ideias.

O Atlético de Madrid terá chamado João Félix e o empresário Jorge Mendes para uma reunião, de onde saíram com o negócio fechado. O Benfica terá sido então avisado que os citizens 'bateriam' a cláusula de 120 milhões de euros. Depois disso, não houve mais motivo de discussão quanto ao futuro do jovem jogador.

A estreia na seleção nacional

João Félix somou a primeira internacionalização na última edição da Liga das Nações na partida frente à Suíça, a contar para as meias-finais da Liga das Nações. O jovem de 19 anos já tinha sido chamado para a partida com a Ucrânia, mas acabou por ser suplente não utilizado, acabando dispensado na partida frente à Sérvia, em partida a contar para o apuramento ao Europeu de 2020.

Profissional a bater recordes

Assim que chegou a Benfica começou a brilhar e a bater recordes. Em setembro de 2016, no seu primeiro ano como jogador júnior dos encarnados, João Félix tornou-se o mais jovem jogador a atuar pela equipa B do Benfica, com 16 anos e dez meses, num jogo da II Liga. Na mesma época, em fevereiro, foi o jogador mais novo de sempre a marcar na II Liga, aos 17 anos, três meses e cinco dias, contra o Académico de Viseu.

Em abril voltou a bater recordes com os três golos marcados frente ao Eintracht Frankfurt, na Liga Europa. O jovem de 19 anos ultrapassou Eusébio e tornou-se o mais jovem português da história a realizar um hat-trick nas competições europeias.

Eusébio marcou três golos pela primeira vez em competições europeias com 20 anos, 9 meses e 29 dias quando o Benfica venceu o Norrkoping, a 22 de novembro de 1962, numa partida das Taça dos Campeões Europeus. Já João Félix apontou os três golos ao Eintracht Frankfurt com 19 anos, cinco meses e dois dias.

O avançado de 19 anos tornou-se também no quarto português a fazer um hat trick nas provas da UEFA, depois de Cristiano Ronaldo (vs. Ajax, em 2012), André Silva (vs. Áustria Viena, em 2017) e o já referido Eusébio.

Félix tornou-se ainda o mais jovem de sempre a conseguir fazer três golos na Liga Europa, superando registos conseguidos anteriormente por goleadores como Harry Kane, Romelu Lukaku, Marko Pjaca ou Paco Alcácer.

Mas há mais. o jovem avançado tornou-se também o primeiro português a marcar um hat-trick com a camisola dos encarnados nas competições europeias desde Pacheco fez três golos ao Belvedur Izola, da Eslovénia, em 1992.

Origens

Nasceu em Viseu em 1999, tendo iniciado a carreira no FC Porto, onde fez parte das camadas jovens dos dragões durante seis anos. Mudou-se de malas e bagagens para o Benfica, onde demonstrou um enorme potencial na época de júnior, onde foi orientado por João Tralhão e Bruno Lage.

Foi apenas no dia 18 de agosto que se estreou pela equipa principal do Benfica, na partida frente ao Boavista, logo à segunda jornada. Somou 20 golos em 43 jogos. A excelente época de estreia tornou-o um alvo apetecível, mas é o Atlético de Madrid que acaba por arrebatar o menino de ouro da Luz.

O miúdo que jogou como gente grande em 2018/2019

Foi, inquestionavelmente, uma das figuras do 37.º título do Benfica. Depois de passar pelos vários escalões de formação das 'águias', onde já era apontado como uma das promessas do clube, João Félix foi lançado por Rui Vitória no início da época, mas só com Bruno Lage foi elevado ao estatuto de indiscutível, e foi assim que despertou a atenção de vários 'gigantes' do futebol europeu.

A aposta do atual técnico 'encarnado' traduziu-se em 26 jogos para o campeonato, 15 golos marcados e sete assistências. No entanto, a influência que o jovem tem tido na dinâmica ofensiva da equipa vai muito além dos números, pela sua irreverência, mobilidade, qualidade técnica, criatividade e inteligência de jogo, mensurável pela forma como se movimenta e se furta às marcações para surgir na área em posição de finalizar.

E, nesse sentido, importa referir a mudança do 4x3x3 para o 4x4x2, onde o camisola 79 passou a fazer dupla na frente com Haris Seferovic, também ele uma figura do Benfica na época 2018/19, movimentando-se no corredor central e na área adversária, onde se sente como 'peixe na água'.

O percurso de João Félix no campeonato

João Félix estreou-se pela equipa principal dos 'encarnados' na segunda jornada frente ao Boavista. No Estádio do Bessa, o jovem avançado português entrou aos 88 minutos para substituir Franco Cervi num jogo que o Benfica venceu por 2-0. Depois de na época passada ter apontado um total de 22 golos entre a equipa de juniores e a equipa B, João Félix ganhou a confiança de Rui Vitória na pré-época e foi integrado no plantel principal.

À terceira jornada, Rui Vitória voltou a 'testar' o jovem no dérbi frente ao Sporting, com o avançado português a corresponder com um golo aos 86 minutos, o primeiro ao serviço da equipa A, que deu o empate (1-1) ao emblema da Luz. Com este golo, de cabeça, tornou-se o mais novo desde Chalana a marcar na estreia no jogo grande da cidade de Lisboa. Seguiu-se uma visita à Choupana onde Rui Vitória lançou o 'miúdo' aos 81 minutos para o lugar de Salvio.

Veja o golo de João Félix na receção ao Sporting

João Félix acabou por estrear-se na condição de titular à quinta jornada, na receção ao Desportivo das Aves. O jovem avançado abriu o marcador aos 34 minutos e acabou por ser substituído por Franco Cervi aos 53 minutos com o extremo argentino a apontar o segundo golo dos 'encarnados' no triunfo por 2-0. Apesar dos bons indicadores nos jogos em que foi chamado, João Félix acabou por não fazer parte das opções de Rui Vitória nas três jornadas seguintes, voltando a ser opção para a receção ao Moreirense.

Frente à formação minhota, Rui Vitória lançou João Félix na equipa inicial e o avançado voltou a corresponder com uma assistência para golo de Jonas logo aos 2 minutos. Aos 68', Cervi acabou por substituir o jovem num jogo que terminou com a derrota dos 'encarnados' por 1-3. Depois de três jornadas sem fazer parte das opções, João Félix regressou para os instantes finais do triunfo do Benfica sobre o Marítimo (1-0) nos Barreiros, referente à 13.ª jornada. Frente ao SC Braga, na ronda seguinte, voltou a não ser utilizado, e acabou por ser a última substituição de Rui Vitória na equipa do Benfica na derrota com o Portimonense por 2-0, quando entrou aos 80 minutos para render André Almeida.

Com a saída de Rui Vitória do comando técnico, João Félix ganhou outro protagonismo na equipa principal dos 'encarnados'. Logo no primeiro jogo de Bruno Lage à frente da equipa do Benfica, João Félix voltou a ser titular e bisou na vitória sobre o Rio Ave por 4-2 ao fazer uma dupla temível com Seferovic na frente de ataque.

O rendimento apresentado por João Félix na equipa principal levou a uma aposta contínua de Bruno Lage na sua titularidade, sendo um dos jogadores totalistas da segunda volta do campeonato com 19 jornadas consecutivas na equipa inicial. Dos 15 golos no campeonato, destacam-se aqueles que marcou em jogos considerados decisivos como o dérbi em Alvalade (2-4) e o clássico no Dragão (1-2), onde o Benfica acabou por saltar para a liderança da prova. E em poucos jogos, João Félix passou a ser o novo menino bonito da Luz.

Veja o golo de João Félix no Dragão

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.