Depois de Bruno Lage ter dito, no lançamento do jogo contra o Paços de Ferreira, que Rafa sonhava vir a ser um dia presidente do Benfica, eis que o extremo volta a somar pontos junto dos adeptos: um golo e uma assistência frente aos pacenses, mostrando o bom momento que atravessa neste seu regresso após lesão.

Rafa abriu o marcador aos 39 minutos e Carlos Vinicius aumentou a vantagem aos 47', com a formação 'encarnada' a somar agora 51 pontos, mais 10 que o FC Porto, que apenas joga na terça-feira com o Gil Vicente.

Os dois golos de Rafa em Alvalade deram-lhe entrada direta no onze para defrontar o Paços de Ferreira, jogando atrás de Carlos Vinícius – o extremo não era titular desde 2 de outubro. Com isto Bruno Lage sacrificou Chiquinho, naquela que foi a única alteração no esquema ‘encarnado’. No lado dos pacenses, Diaby regressou ao onze para acompanhar Pedrinho - João Amaral começou no banco - fazendo subir Eustáquio.

O Paços de Ferreira entrou desinibido e a tentar pressionar alto, mas foram do Benfica as duas primeiras oportunidades de golo. Grimaldo (10’), de livre direto, obrigou Ricardo Ribeiro a uma grande defesa, e logo a seguir Vinícius cabeceou ao ferro, após canto cobrado por Pizzi.

Aos 18 minutos, Pizzi colocou a bola na baliza, mas o lance foi invalidado por fora de jogo, confirmado por Manuel Oliveira com o videoárbitro. Ainda assim, o Benfica não desarmou e aos 26’ Ferro ganhou de cabeça num canto, obrigando o guardião dos pacenses a mais uma grande intervenção. Depois foi Carlos Vinícius a cabecear por cima, após bom esforço de Grimaldo na esquerda.

A equipa de Pepa foi encontrando caminhos para chegar à baliza de Vlachodimos, mas sem conseguir incomodar verdadeiramente o guardião das ‘águias’. Já o Benfica continuava endiabrado e foi com naturalidade que chegou à vantagem na Mata Real. Quem marcou? O homem do momento, pois claro: grande passe de Rúben Dias para a desmarcação de Rafa (39’), que tirou Marco Baixinho do caminho e rematou de pé esquerdo para o golo.

A equipa do Paços teve oportunidade para empatar logo a seguir, na sequência de um livre direto, mas o remate de Douglas Tanque foi para a bancada. O Benfica tentou fazer o 2-0 ainda antes do intervalo, com Pizzi a combinar com Rafa e a atirar de primeira para uma enorme defesa de Ricardo Ribeiro, a melhor unidade dos pacenses em campo.

A segunda parte arrancou com o segundo golo dos encarnados: jogada rápida dos visitantes, com Rafa a cruzar rasteiro para a finalização de Vinícius (47’), que marca assim o 11.º golo no campeonato. Apanhado em contrapé no 2-0, o Paços de Ferreira tentou reagir rapidamente e aos 52 minutos Diaby desviou para defesa apertada de Vlachodimos, após um ressalto num canto.

Aos 54’ houve novo golo anulado ao Benfica, desta vez por posição irregular de Carlos Vinícius – de destacar, ainda assim, o excelente passe de Julian Weigl para o brasileiro. Pouco depois, Douglas Tanque tentou assustar Vlacodimos, mas o remate voltou a sair muito por cima. Os homens de Pepa davam boa réplica, mas a pontaria não estafa afinada.

Mesmo com menos bola, o Benfica ia controlando o jogo. Aos 61’ Pizzi fez a bola passar muito perto do poste, após cruzamento atrasado de André Almeida. O camisola 21 acabou por sair a 15 minutos do fim, dando lugar a Adel Taarabt. Bruno Lage lançou também Seferovic, que teve nos pés o 3-0 mas o desvio ao cruzamento de Grimaldo, à boca da baliza, saiu por cima. E o marcador não voltou a mexer até ao apito final.

Com o triunfo de hoje, o Benfica aumentou para 18 o número de vitórias seguidas fora de casa para o campeonato, enquanto o Paços de Ferreira, que não perdia desde a 13.ª jornada, mantém os mesmos 16 pontos, no 16.º lugar da I Liga.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.