O futebolista Yannick Djaló, contratado pelo Benfica após seis meses sem jogar devido a problemas na transferência entre Sporting e os franceses do Nice, revelou-se, esta terça-feira, «reforçado a nível mental» com o sucedido, em entrevista à Benfica TV.

«É muito duro e frustrante não podermos fazer aquilo de que gostamos por razões burocráticas. Felizmente, essa fase já passou. Senti-me bastante desiludido, mas no final saí reforçado porque estou numa grande casa. Foram seis meses muito duros, mas acabaram por me reforçar bastante a nível mental. Estou preparado para tudo», disse, acrescentando ter vindo a treinar na praia, entre 10 e 13 quilómetros, desabafando por vezes com o mar.

Yannick Djaló, sem competir desde agosto, chegou a acordo com os encarnados, assinando contrato válido por quatro épocas e meia. Para trás ficou a polémica com a documentação que não deu entrada em tempo útil para a sua inscrição pelo Nice por quatro minutos.

«Parece um sonho. Estou sem palavras. Sinto-me nas nuvens. As primeiras impressões são fantásticas», afirmou, referindo-se ao novo grupo de trabalho e outros funcionários das Águias.

Djaló revelou ainda que teve a oportunidade de, ainda jovem e a representar uma equipa da Covilhã, ter ingressado no Benfica, mas, na altura, o destino levá-lo-ia ao clube de Alvalade, que representou, como sénior, entre as épocas de 2006/2007 e 2010/2011.

«Houve essa possibilidade, mas as coisas não evoluíram. Por vezes, o comboio passa duas vezes e agora entrei», continuou, prometendo «trabalhar» e «dar sempre o melhor em prol do grupo».

O avançado internacional português mostrou-se «confortável a jogar em qualquer posição que o treinador ache útil para o Benfica» e desejou voltar a representar a seleção nacional, bem como estar presente no Europeu de 2012.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.