O treinador Petit desejou hoje “dar continuidade” à evolução do Boavista com uma “boa resposta” na visita ao estádio do Vitória de Guimarães, onde não vence há 20 anos, na quarta-feira, em partida da 16.ª jornada da I Liga de futebol.

“Respeitamos o adversário, mas somos o Boavista e queremos impor-nos, sabendo que vamos passar por vários momentos no jogo. Focámos estes dias no trabalho sobre o Vitória e queremos dar uma boa imagem”, frisou o técnico, em conferência de imprensa.

Os ‘axadrezados’ igualaram a melhor sequência em 2021/22, ao quebrar um ciclo de 11 jornadas seguidas sem vitórias na I Liga ante o Moreirense (1-0), após ‘selarem’ o inédito acesso à ‘final four’ da Taça da Liga com uma goleada sobre o Sporting de Braga (5-1).

“O Vitória é muito forte a jogar em casa. Tem tido algumas desvantagens no início dos jogos, mas, depois, consegue recuperar. Sabemos que tem processos bem definidos e também conheço bem o seu treinador, que tem feito um bom trabalho com a qualidade daqueles jogadores. Contudo, olhamos mais para o que temos e podemos fazer”, notou.

Os minhotos estão impedidos de utilizar o inglês Marcus Edwards, Ricardo Quaresma e Gui, todos com resultados positivos para o coronavírus, que provoca a covid-19, nos dias seguintes ao Natal, motivo que também privou o Boavista do montenegrino Ilija Vukotic.

“É importante esta pausa para estarmos com os nossos familiares e refrescarmos a cabeça, mas o foco esteve sempre no trabalho. Encontrei o grupo com boa disposição e preparámos este jogo contra um adversário de qualidade, boas dinâmicas e complicado. Alguns não podem jogar, mas o Vitória está recheado de bons jogadores”, advertiu Petit.

Pedro Malheiro e Miguel Reisinho, ambos lesionados, são outras ‘baixas’ confirmadas, além do brasileiro Nathan, suspenso, enquanto as recuperações do iraniano Alireza Beiranvand, do espanhol Javi García e do curaçauense Kenji Gorré suscitam dúvidas.

O Boavista ainda pode contar em Guimarães com Yusupha, convocado pela seleção da Gâmbia para a Taça das Nações Africanas de 2021, a decorrer de 09 de janeiro a 06 de fevereiro de 2022, nos Camarões, após ter sido adiada devido à pandemia de covid-19.

“Os treinadores gostam sempre de ter os atletas disponíveis. O Yusupha está num bom momento e a atravessar aquilo que pretendemos dele e acredito que pode dar. Vamos perdê-lo, mas teremos de arranjar soluções no plantel. Se isso acelera ida ao mercado? Enquanto não vierem reforços, tenho de valorizar o que tenho dentro de casa e tirar o melhor rendimento individual para o coletivo ser forte. É a minha preocupação”, referiu.

O Boavista não vence na ‘Cidade Berço’ para a I Liga desde abril de 2001 (2-1), quando Petit, então com 24 anos, era unidade influente no meio-campo dos ‘axadrezados’, que viriam, um mês depois, a conquistar o único título de campeão nacional da sua história.

“O nosso trabalho também passa por tentar o melhor partido dos jovens. Fui ver o último jogo dos juniores e há alguns jogadores de qualidade. Sou um treinador que não tem qualquer problema em apostar nos jovens. Quando tiverem a oportunidade, terão de agarrá-la e estar prontos. Alguns vêm pelas escadas, outros de elevador, mas têm evoluído dentro da ideia e dinâmicas da equipa e das variantes do sistema”, concluiu.

O Boavista, nono colocado, com 15 pontos, defronta o Vitória de Guimarães, sétimo, com 22, na quarta-feira, às 19:00, no Estádio D. Afonso Henriques, em encontro da 16.ª ronda da I Liga, a derradeira de 2021, com arbitragem de Rui Costa, da associação do Porto.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.