O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, prestou na terça-feira homenagem a Mário Wilson, comparecendo no velório do antigo futebolista e treinador, pessoa que considerou consensual e sem anticorpos.

“Fiz questão porque o Presidente da República representa o país e o Mário Wilson merece a homenagem do país, já a mereceu uma vez, através da condecoração do presidente Mário Soares, que já foi há muitos anos, mas a sua vida merece este agradecimento em nome de todos os portugueses”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, na Capela do Centro Paroquial de Oeiras, onde decorre o velório do ‘velho capitão’, que morreu na segunda-feira, aos 86 anos.

O Presidente da República realçou a raridade de encontrar “uma pessoa que não tenha anticorpos”, como considerou Mário Wilson.

“Era totalmente consensual, as pessoas podiam ter vários clubes, orientações pessoas, sociais e até políticas, sendo ele um grande democrata e um grande resistente contra a ditadura, mas, mesmo tendo as suas convicções, soube dar-se bem com toda a gente do futebol, era um grande senhor, planava por cima das guerras que existem no desporto. Deixa essa imagem e a imagem de ter servido Portugal, como educador, porque encarava o futebol como uma escola em que era possível educar”, referiu.

Antes, o Chefe de Estado já tinha expressado o pesar pela morte de Mário Wilson, através da página oficial da Presidência na Internet.

“Mário Wilson teve uma longa carreira futebolística primeiro no Sporting e depois na Académica, enquanto jogador. Foi selecionador nacional e treinador do Benfica tendo-se destacado pela disponibilidade e pelo sucesso em treinar o clube em difíceis momentos de transição. Nascido em Lourenço Marques, Mário Wilson foi também um corajoso apoiante de movimentos de independência em Moçambique. O “velho capitão” deixa o futebol português mais pobre”, lê-se na página da Presidência da República.

Mário Wilson, que morreu na segunda-feira aos 86 anos, foi o primeiro treinador português a vencer o campeonato para o Benfica, em 1975/76, conquistando ainda como técnico as Taças de Portugal de 1979/80 e 1995/96, ao serviço dos ‘encarnados’.

Natural de Maputo, em Moçambique, Mário Wilson envergou durante grande parte da sua carreira de jogador a camisola da Académica, depois de ter conquistado o título de campeão no Sporting, em 1950/51, e alinhado no Desportivo de Lourenço Marques.

Como treinador, além das três passagens pelo Benfica, orientou ainda clubes como a Académica, Belenenses, Vitória de Guimarães, Boavista e Estoril-Praia, entre outros, totalizando 548 jogos no primeiro escalão do futebol nacional, tendo ainda comandado a seleção portuguesa na qualificação para o Europeu de 1980.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.