O presidente da SAD do Famalicão, Miguel Ribeiro, revelou-se hoje preocupado com o estado do futebol português, salientando as “diferenças” dos clubes ‘grandes’ para os “outros”.

“O estado do futebol português divide-se claramente em dois. Temos os ‘grandes’, que, também felizmente para nós, têm tido bons resultados europeus, a crescer as suas marcas, orçamentos cada vez mais elevados, o espaço mediático quase a atingir o 100%, e, depois, temos uma segunda leva, que são todos os outros. E todos os outros vivem muitas dificuldades”, disse Miguel Ribeiro em declarações à agência Lusa.

Miguel Ribeiro explicou de forma bem concreta em como se refletem essas dificuldades.

“Na competição mais fraca da Europa que nós temos hoje, a Liga Conferência Europa, nenhum clube português chegou à fase de grupos em duas épocas. As equipas vivem em ‘stress’ permanente desde a primeira jornada porque, de facto, jogar na I Liga representa viver, e não jogar na I Liga representa sobreviver. E acho que é preciso olharmos para este panorama e perceber que o futebol português não é só a camada 1, mas também tem a camada 2. E a camada 2 hoje vive verdadeiramente em sofrimento porque as receitas são escassas, tudo o que gravita à volta deste segundo grupo de clubes é muito curto, o nosso espaço mediático é muito pequeno. Acredito que a centralização dos direitos televisivos com uma repartição muito mais equilibrada, muito mais equitativa dos direitos, poderá fazer crescer este segundo grupo. Porque se este segundo grupo não crescer, o futebol português estará hoje estagnado no seu crescimento”, alertou ainda.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.