O presidente do Sporting acredita que o castigo que lhe foi aplicado pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) é 'rídiculo'. Bruno de Carvalho utilizou o Facebook para deixar um recado ao organismo.

Segundo avança o jornal O Jogo, a mensagem publicada por Bruno de Carvalho usou a alegoria e várias figuras de estilo, através de uma anedota, para lhe dizer o que vinha na alma.

"Existem coisas no desporto que me fazem lembrar uma anedota:

Um jovem foi para Coimbra estudar direito. Os pais, pessoas humildes e de poucas posses, fizeram um grande esforço financeiro para o conseguir.

Passados 6 meses, o jovem, conhecido na Universidade como "Escuteiro-Mirim", escreveu uma carta aos pais dizendo que queria deixar de estudar para ser poeta. E, para o demomstrar, escreveu-lhes um poema: o céu ai que belo, ai que belo! O mar, ai que belo, ai que belo! O ca...mpo ai que belo ai que belo!

Os pais ao lerem a carta ficaram muito desiludidos e decidiram responder ao filho também em forma de poema:

Meu filho, tantos anos a estudar para colher tamanho fruto, ai que bruto, ai que bruto!", afirmou o dirigente, que ainda deixou uma última mensagem.

"Eu sou do tempo em que o ridículo era algo a ser evitado, não um objetivo a ser atingido".

Caso do túnel de Alvalade: Bruno de Carvalho suspenso seis meses
Caso do túnel de Alvalade: Bruno de Carvalho suspenso seis meses
Ver artigo

Recorde-se que Bruno de Carvalho foi suspenso por seis meses, na sequência do caso do túnel de Alvalade, onde o presidente do Sporting terá entrado numa discussão com Carlos Pinho, presidente do Arouca, que também foi castigado com 20 meses de suspensão.

Entretanto, o Sporting já veio dizer que vai recorrer da decisão do Conselho de Disciplina da FPF, através da apresentação de um recurso para o Tribunal Arbitral do Desporto.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.