O dirigente, que falava aos jornalistas depois da conferência de imprensa dos treinadores após o empate em casa do Estoril Praia (0-0), salientou que não estava a falar pela igualdade de hoje, mas por toda a situação do futebol português.

“Não estou aqui pela análise do jogo, concordo com a análise de Pepa, que é o meu treinador. O facto de eu estar aqui é por estarmos no início da temporada e saber o que pretendemos para o futebol português. Se queremos jogos jogados ou jogos parados”, começou por dizer.

Segundo Miguel Pinto Lisboa, o Vitória de Guimarães, nos quatro jogos já realizados, é vítima de constantes paragens de jogo fruto das faltas assinaladas ao longo dos 90 minutos e apontou bateria aos erros de arbitragem.

“Nestes jogos que o Vitória de Guimarães fez os jogos estão constantemente parados. Tivemos jogos com erros de arbitragem, nos quais não se permite que o jogo decorra. Houve um critério díspar nos cartões amarelos. Fomos prejudicados. Não tem nada a ver com o jogo de hoje. Não ganhámos porque não marcámos. O futebol tem de evoluir, [os jogos] não podem estar sempre parados e com critérios disciplinares que não são entendíveis”, conclui.

O Vitória de Guimarães empatou hoje com o Estoril Praia (0-0) em jogo da segunda jornada da I liga e somou o primeiro ponto da temporada, depois da derrota na ronda inaugural com o Portimonense. Os dois outros jogos a que Miguel Pinto Luz se refere são os da Taça da Liga onde somou outros tantos triunfos diante do Leixões (4-1) e do Casa Pia (1-0).

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.