O candidato à presidência do Sporting José Maria Ricciardi desmente que tenha sido "um presidente sombra" nos últimos anos e alertou para as dificuldades de tesouraria que o clube pode enfrentar esta época.

"Nunca fui presidente sombra nem andei a dar ordens dentro do Sporting. São mitos que se criam. Resolvi avançar [com a candidatura], porque o Sporting está numa situação muito difícil. É resolúvel, mas está a subestimar-se a situação", frisou Ricciardi, em entrevista à agência Lusa.

O banqueiro, de 63 anos, considera que os opositores nas eleições de sábado "ainda não se aperceberam da situação em que o clube se encontra", apontando-lhes "inconsciência e imaturidade, que nada tem a ver com idade".

"Estávamos à espera que aparecesse uma candidatura que desse garantias de experiência, de conhecimento, de saber lidar com investidores, maturidade e experiência de gestão, porque, hoje em dia, o Sporting é uma realidade empresarial. Achámos que as outras candidaturas não nos ofereciam isso", referiu à Lusa.

Ricciardi rejeitou que tivesse contribuído para os problemas que afetaram o BESI e lembrou que continuou a ser "presidente do banco de investimentos mais importante do país durante quase mais três anos", e que foi distinguido com o "prémio de melhor banqueiro da Europa".

O presidente a ser eleito no sábado vai suceder a Bruno de Carvalho, ex-líder dos ‘leões', que foi destituído pelos sócios em 23 de junho e o qual foi apoiado, durante muito tempo, pelo próprio José Maria Ricciardi. O volte-face, segundo Ricciardi, aconteceu com a reeleição de Bruno de Carvalho, no ato eleitoral de 2017.

"É alguém que destruiu o trabalho positivo que estava a fazer, em certos aspetos bastante positivo mesmo. A partir da reeleição, quando teve quase 90%, começou-se a degradar com toda a gente. Foi piorando até ao jogo com o Atlético de Madrid. Nunca tinha visto na vida um presidente desvalorizar a sua própria equipa de futebol. Arruinou o trabalho positivo que tinha feito", reconheceu.

A situação financeira do clube e da SAD merece a preocupação do candidato, que começou por lembrar a ‘herança' deixada por Bruno de Carvalho. De acordo com Ricciardi, "só uma equipa de gente experimentadíssima e com capacidade para se relacionar rapidamente com investidores" poderá fazer face a um "défice de tesouraria para a época toda que pode atingir os "122 milhões de euros (ME)".

A ausência da fase de grupos da Liga dos Campeões de futebol também merece a atenção do candidato, numa altura em que as verbas pagas pela UEFA aos clubes que nela participam são cada vez maiores.

"Estamos a caminhar para uma primeira divisão europeia em que as diferenças entre os clubes que lá estão e os que não estão são cada vez mais profundas. Se nós falharmos agora, o que, se certas candidaturas ganharem, tem probabilidade alta, nunca mais lá vamos", sublinhou.

Contudo, José Maria Ricciardi acredita que o primeiro grande desafio do próximo presidente do Sporting passa pelo reembolso do empréstimo obrigacionista de 30 ME, que deveria ter sido efetuado em maio e acabou adiado para novembro.

"É a primeira vez que o Sporting ou qualquer clube de futebol não honra o compromisso na data do empréstimo. Se falhar este pagamento, vai ser catastrófico. Será que os sócios têm consciência da dificuldade que isto representa, da credibilidade que se tem de ter, do conhecimento dos mercados de capitais? Sei que há muitos que não valorizam isso, mas é altura de começarem a pensar nisso, porque, depois, não há futebol", vincou.

Por outro lado, Ricciardi reforçou a intenção de presidir ao conselho da administração da SAD, caso seja eleito presidente do clube: "Não quero que se passe o que se passou no Belenenses. O presidente do clube deve ser o presidente do conselho de administração da SAD, mas isso não significa que não possa haver um presidente executivo na SAD, no dia a dia."

As eleições no Sporting estão marcadas para sábado.

Além de José Maria Ricciardi, concorrem ao ato eleitoral João Benedito (lista A), Pedro Madeira Rodrigues (C), Frederico Varandas (D), Rui Jorge Rego (E), José Dias Ferreira (F) e Fernando Tavares Pereira (G).

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.