O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, fez esta esta sexta-feira a antevisão do encontro da 9.ª jornada da I Liga frente ao Marítimo e abordou a conversa com Sérgio Oliveira no final do encontro para a Taça da Liga.

"Fiquei estupefacto no dia a seguir com um jornal e um jornalista que escreveu uma crónica, o Octávio Ribeiro, onde falava sem saber. O que eu fiz foi o que faço em muitos casos, algumas vezes com menos visibilidade: Nos momentos difíceis gosto de estar sempre com os meus jogadores. O que disse ao Sérgio [Oliveira] foi que aquilo aconteceu porque ele, nas últimas duas, três semanas, tem estado com um espírito pouco positivo, que eu confiava nele e que gostava dele. Ele pode confirmar. E dei-lhe um abraço", começou por dizer o técnico.

"Durante aquele momento ele também foi dizendo algumas coisas e estivemos ali numa amena cavaqueira, esquecendo os holofotes... Eu vivo o momento sem pensar nas câmaras ou no que alguém possa estar a pensar no que estou a dizer, se estou a rezar o Pai Nosso ou Avé Maria. Isto acontece-me de forma instintiva. Fui ter com ele num momento difícil dele, fui dar-lhe a mão, dizer que são coisas que acontecem, que foi um momento negativo mas que ele tem o meu apoio. E, repito, eu disse ao Sérgio que 'eu gosto de ti', algo que não costumo dizer muitas vezes. Até os meus filhos se queixam que não digo que gosto deles", acrescentou.

Sobre o jogo com o Marítimo, Sérgio Conceição admitiu que os insulares não estão ao mesmo nível do ano passado, mas lembrou que é uma deslocação "sempre muito difícil". "Foi um jogo importante, na fase final do campeonato, como foram tantos outros. É uma saída historicamente difícil para o FC Porto, com uma equipa que nos habituou a lutar pelos oito primeiros lugares. Vamos encontrar jogadores com qualidade no Marítimo. Não têm estado tão constantes como no ano passado, mas é sempre um campo muito difícil de se jogar. Temos de fazer o que nos compete para conseguir conquistar os três pontos, que é o nosso objetivo", disse.

"O Marítimo é uma equipa de grande qualidade individual. É praticamente a mesma do ano passado, com uma ou outra alteração. Coletivamente não vou dizer que está ao mesmo nível da época anterior, mas o jogo vai ser difícil na mesma. As equipas com alguma dificuldade na tabela classificativa galvanizam-se sempre contra os "grandes". É um jogo historicamente difícil para nós, vamos tentar procurar explorar as fragilidades do Marítimo e estar precavido para os pontos positivos do adversário. Eu desconfio sempre da má forma das equipas", prosseguiu.

Já sobre o jogo da Taça da Liga frente ao Varzim, o treinador dos campeões nacionais disse que "confia em todos", mas alguns jogadores "podiam ter feito mais": "Para assumir a equipa que jogou contra o Varzim, falo dos jogadores menos utilizados, é porque tinha grande confiança em todos eles. E era um jogo decisivo para nós, tínhamos de ganhar para seguir em frente. Não são noventa minutos que definem o que é um jogador, tenho confiança em todos os meus atletas, mas admito que houve jogadores que podiam ter feito mais, estou à vontade para dizer isso."

Por fim, Sérgio Conceição sublinhou que o campeonato deste ano está mais equilibrado e que os chamados três 'grandes' vão ter mais dificuldades em conquistar os três pontos.

"Está a ser um início de campeonato mais difícil. O campeão e o vice-campeão não vão acabar com a pontuação tão alta como em anos passados. O campeonato está mais competitivo e é mais difícil conquistar três pontos", atirou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.