Declarações de Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, à Sport TV, após o triunfo frente ao Casa Pia (2-1), no Estádio do Dragão, da 32.ª jornada da I Liga.

Análise ao jogo: "Na primeira parte houve alguma precipitação na nossa dinâmica em posso, o que fez com que o adversário, extremamente bem organizado, saísse com perigo em ataque rápido e contra ataque, momento em que tem jogadores perigosos. Tivemos algumas situações no último terço em que faltou clarividência, uma melhor definição, mesmo na hora de concluir. Queríamos concluir de primeira, era preciso alguma calma. Mas é compreensível neste momento da época. Ao intervalo tentámos retificar alguns aspetos de organização defensiva, o que devíamos fazer para criar mais perigo, meter a boa organização defensiva do Casa Pia em dificuldade. Meti o Veron, puxei o André Franco para dentro, o Uribe atrás, uma linha de três, praticamente. Pepê e Wendell nas alas. Correu bem, tivemos muitas oportunidades, podíamos ter ganhado o jogo com um resultado mais folgado. Mas temos de dar mérito à equipa do Filipe Martins."

Mensagem ao intervalo: "São conversas entre o treinador e os jogadores, não quero partilhar agora. Mas acho que o onze que entrou é competente e tem capacidade e qualidade para ganhar ao Casa Pia. Ajustámos algumas coisas, foi uma conversa séria, franca, leal. Houve retificações, ajustámos, entrámos bem no jogo, mas precisava de outras coisas no último terço. A entrada do Veron foi importante. Os jogadores estão de parabéns. Fiquei muito contente com a atitude. Não é fácil jogar depois dos rivais e de ganharem os seus jogos. Nós representamos um clube que nunca desiste, não atira a toalha ao chão. Faz parte deste clube, nesta região, vamos continuar na luta."

Festejos após o 2-1: "Estamos aqui para dar luta até ao último momento do campeonato. Foi assim que fizemos nestes seis anos. Vamos continuar assim. Foi uma demonstração do que é ser FC Porto."

Confusão entre os bancos: "Com o Filipe Martins não se passou nada. Houve elementos do banco de suplentes, situações do jogo, da paixão do jogo, de grandes emoções... faz parte. Mas eu digo-vos uma coisa, muito sinceramente. À miníma coisa, à mínima palavra, como já aconteceu com o Vítor Bruno ou o Engenheiro Luís Gonçalves, levantar-se do banco ou dizer alguma coisa, é amarelo ou expulsão. Hoje isso não aconteceu com o Casa Pia. Não sei se é certo ou errado, mas não é coerente. Devia ser para todos da mesma forma."

Declarações de Danny Namaso, avançado do FC Porto, à Sport TV, após o triunfo frente ao Casa Pia (2-1), no Estádio do Dragão, da 32.ª jornada da I Liga.

Análise ao jogo: "Precisávamos desta vitória. Não foi fácil, mas às vezes as coisas correm bem, outras não tão bem, mas sempre trabalhamos ao máximo para dar tudo para os nossos adeptos, para o clube".

Mensagem ao intervalo: "É neste espírito que vamos estar até ao fim. A primeira parte não foi fácil, mas felizmente conseguimos voltar e ganhar o jogo".

Entrada perto do fim: "Temos sempre de dar o máximo até ao fim dos jogos, do campeonato e é neste espírito que precisamos e mostramos no campo".

Golo marcado: "Não há muito tempo para pensar. Como avançado, tenho de pensar muito rápido e, felizmente, marquei este golo".

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.