O presidente da Liga Portugal, Pedro Proença, concedeu uma entrevista à rádio francesa RMC, onde abordou vários temos sobre a atualidade do futebol português.

Direitos de televisão: Há pouco tempo, o Secretário de Estado do Desporto [João Paulo Rebelo] anunciou publicamente que o quadro jurídico mudaria rapidamente. Este reflexo já existe. Existe um alinhamento transversal entre as grandes entidades que regem o futebol em Portugal: a Federação, a Liga, os clubes, o poder político… Todos compreendem que é o único modelo que existe para rentabilizar as receitas dos clubes, para diminuir o fosso entre quem ganha mais e quem ganha menos, melhorar o produto audiovisual - que pode ser processado digitalmente ou não. Isto pode ser feito através da centralização desses direitos por meio do órgão regulador. Esta realidade já existe dentro da Federação Portuguesa de Futebol. Os campeonatos não profissionais são centralizados pela federação e o mesmo acontecerá com os direitos audiovisuais das competições profissionais. Os contratos atuais assinados pelos clubes duram até 2027-2028. O que todos nós pensamos, e acho que todos concordamos nisso, é que a melhor maneira de lidar com nosso produto de futebol é por meio desse modelo. Sabemos que existe este limite de tempo, mas faremos o nosso melhor para poder antecipar, com todos os parceiros, esta data. Este é o grande desafio que queremos ver concretizado.

Superliga Europeia: Somos muito claros sobre este assunto. Opomo-nos totalmente à possibilidade de uma superliga que ultrapasse as realidades nacionais. Quem defende esse modelo de negócio, essa tipologia, não entende o ciclo de formação dos grandes clubes. Vivemos num contexto europeu e esse tipo de realidade é aceite no mercado norte-americano. Na Europa, o princípio da promoção e despromoção é uma realidade que aceitamos naturalmente. O desporto norte-americano, que se encontra num estágio económico completamente diferente, não aceita. Em Portugal, na Europa, temos a possibilidade de estarmos numa competição por mérito desportivo. Nos Estados Unidos, o espaço é conquistado exclusivamente por mérito económico. Até porque o futebol profissional não vive sem o futebol amador. Essa cadeia de suprimentos que vai do futebol distrital, ao futebol nacional, ao futebol profissional e internacional, todo esse ciclo deve ser respeitado. Se criarmos uma liga inacessível, onde as pessoas ganham sua parte com o seu peso económico, vamos distorcer o que tanto nos mobiliza no meio do futebol. É a possibilidade de um "Marselha anónimo", permitam-me a expressão. Um clube que, um dia, esteve na segunda divisão francesa mas que, por mérito desportivo, conseguiu ser campeão da Europa.

Violência no Desporto: O problema não diz respeito apenas a Portugal, diz respeito à Itália, França, Inglaterra, Espanha, competições internacionais ... Em Portugal, temos feito grandes avanços na luta contra a violência, xenofobia, racismo. A última lei da violência, que não é exatamente o que esperávamos, é um passo nessa direção. Queremos fazer do futebol um espetáculo desportivo onde as famílias possam conviver com tranquilidade, com civismo. O futebol não pode ser um lugar onde as pessoas tenham medo de ir. É um fenómeno que vai muito além do campo desportivo. Alguns aproveitam o futebol para trazer essa violência para o campo, que é um fenómeno que permeia a realidade de cada país. Queremos erradicar isso, especialmente xenofobia e racismo. Ano passado tivemos um exemplo muito negativo que nos fez lutar muito, com todos os clubes, racismo e não queremos que isso volte a acontecer. Todos os jogadores dizem não à intolerância.

Racismo:  É um problema geracional, um problema de educação. Não se pode educar boa cidadania a uma pessoa só porque entra num estádio. Por outro lado, pode ser proibida a entrada à pessoa que pratique esse tipo de comportamento em arenas desportivas. A nova lei de combate à violência rejeita, de certa forma, o adepto que opta por maus comportamento. Queremos banir aqueles que têm comportamentos errados. É importante que o poder judiciário e o político assumam as suas responsabilidades. O futebol não é culpado de todos os fenómenos sociais que ocorrem no nosso país. O futebol é o resultado de todos esses comportamentos. Mas pode ter certeza que o futebol profissional será um dos primeiros interlocutores a combater esses fenómenos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.