Os leirienses ultrapassaram o Vitória de Guimarães (2-3 em Aveiro) e, provisoriamente, o Sporting (segunda-feira em Setúbal), enquanto a Naval perfez hoje 282 dias sem triunfos caseiros e segue a oito pontos da “linha de água”.

Três golos, um na primeira parte, marcado por Carlão, e dois na segunda, por Zhang e Diogo Amado, selaram um justo triunfo dos forasteiros, reduzidos a 10 unidades desde os 49 minutos, quando Vinicius viu o segundo amarelo.

Rogério Gonçalves, derrotado na pretérita jornada face ao Nacional por 2-1, apresentou no “onze” Marinho, Godemèche e Fábio Júnior, deixando de fora João Pedro, Rogério Conceição (castigado) e Michel Simplício.

Por seu lado, Pedro Caixinha, vencedor na recepção ao Sporting de Braga (3-1), chamou ao “onze” Vinicius, Diogo Amado e Marcos Paulo, prescindindo de Diego Gaúcho, Paulo Sérgio e Zhang.

Boa entrada da turma figueirense, que nos dois primeiros minutos teve duas excelentes oportunidades para inaugurar o marcador.

No primeiro lance ficou a ideia que Edivaldo Bolívia foi afastado do lance em falta na proximidade da pequena área e, no segundo, Gottardi negou o golo a Real com defesa por instinto.

Aos 13 minutos, na primeira aproximação da União de Leiria à baliza contrária, Pateiro, lançado por Silas, foi derrubado por Giuliano e Paulo Batista apontou de imediato para a marca de grande penalidade. Carlão cobrou o castigo máximo com êxito, colocando a formação leiriense a vencer.

A formação figueirense pareceu não acusar o tento sofrido, continuou a atacar e, aos 21 minutos, Gottardi fez uma excelente defesa a remate de Marinho. A vencer, a turma de Leiria segurou o esférico, fechou as linhas de passe, pelo que a partida perdeu alguma da intensidade com que estava a ser disputada.

Depois do intervalo, Rogério Gonçalves lançou Hugo Machado e Gómis, por troca com Giuliano e Orestes, enquanto Caixinha deixou Carlão no balneário e colocou em campo Zhang.

Quatro minutos após o recomeço da partida, a União de Leiria ficou reduzido a 10 unidades, por expulsão de Vinicius punido com segundo amarelo.

Aos 54 minutos, N’Gal desperdiçou, de forma incrível, duas soberanas oportunidades para acabar com o jogo. O camaronês isolou-se duas vezes na cara de Jorge Batista, mas não conseguiu bater o guarda-redes contrário.

Mas, aos 63 minutos, Zhang não falhou, depois de um excesso de cerimónia da defensiva figueirense em afastar do esférico na zona da área e, de ressalto em ressalto, o chinês aproveitou para dar o “xeque-mate” nas pretensões dos locais.

Quando o cronómetro marcava 90 minutos, Diogo Amado fechou a contagem.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.