Resumo
Intermitente na defesa, inteligente no meio-campo e mortífero no ataque. O Benfica arrumou a imagem mais cinzenta que apresentou ontem no encontro com os holandeses do Groningen e vestiu a camisola “mortífera” que usou na época passada. O brilho benfiquista só foi ofuscado pela péssima exibição do guarda-redes espanhol Roberto, que teve culpa nos dois primeiros golos dos minhotos e ainda algumas incertezas quanto à segurança defensiva encarnada.

Lances do jogo
Aos 6 minutos de jogo, na sequência de um pontapé de canto, Gaitán cruzou para a área e Kardec, que ontem marcou o primeiro golo do Benfica, saltou com facilidade e cabeceou para o fundo das redes da baliza de Serginho.

Benfica continuou imparável e três minutos depois, Kardec, já dentro da grande área, atrasou a bola para Saviola e o argentino finalizou da melhor forma.

A partir dos vinte minutos o Vitória foi crescendo (e o Benfica abrandando de ritmo) e o jogo ficou mais equilibrado, até que a equipa da casa chegou ao primeiro golo aos 33 minutos, com a ajuda do guarda-redes encarnado Roberto. Depois de um pontapé de canto, a bola “saltitou” entre defesas e atacantes e Roberto, na pequena área, andou atrás da bola até que Valdomiro aproveitou o desleixo do espanhol e encostou a bola nas redes.

A segunda parte começou como a primeira, com o Benfica a marcar. Bastaram dois minutos de jogo para o “sedento” Alan Kardec bisar na partida, totalizando três golos no torneio. Num quadro muito semelhante ao segundo golo encarnado, David Luiz atrasou para Alan Kardec, impedindo que a bola tivesse saído pela linha-de-fundo, e o brasileiro fulminou, e bisou.

O Benfica voltou a crescer no segundo tempo e desta forma chegou ao quarto golo, aos 53 minutos, por intermédio do reforço Jara, e fê-lo da melhor forma. O argentino enviou uma "bomba", a desenhar um arco no ar do Estádio D. Afonso Henriques, e Serginho não conseguiu parar.

Os encarnados cresciam mas o guardião Roberto, que chegou à Luz para substituir Quim na baliza, não acompanhou o ritmo dos campeões nacionais. Isto porque o Vitória de Guimarães chegou ao segundo golo com a ajuda do espanhol contratado ao Atlético de Madrid por 8,5 milhões de euros. Num lance de bola parada, os vimaranenses enviaram a bola para área encarnada e num duelo aéreo Roberto falhou a bola e esta sobrou para Douglas, que fez o segundo golo vimaranense.

As más fotografias de Roberto só foram mesmo apagadas pela mestria dos jogadores da frente do Benfica. Como Carlos Martins que marcou um livre directo do lado esquerdo e fez a bola sobrevoar Serginho para encontrar o poste e entrar nas redes vimaranenses.

A um minuto dos noventa, o Vitória voltou a reduzir a desvantagem na sequência de um pontapé de canto e com um cabeceamento de Valdomiro. Oitavo golo do encontro e o segundo do defesa central.

Notas
Com este triunfo, o Benfica (4 pontos) volta a conquistar o Troféu Cidade de Guimarães, pela terceira vez consecutiva e deixa o anfitrião da prova à porta.Vitória de Guimarães (3 pontos) fica-se pela segunda posição e os holandeses do Groningen (1 ponto) em terceiro.

 Recorde-se que o Vitória de Guimarães conquistou a primeira edição.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.