Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, falou em entrevista ao jornal Correio da Manhã a respeito do 'caso dos vouchers', admitindo que esta situação "magoou bastante" o Benfica.

"Quando um determinado clube tem um resultado negativo, surgem essas tempestades dos vouchers. O que pedimos é que sejam rápidos e céleres na decisão. Quem provocou esta situação magoou-nos bastante. A nossa marca fica manchada, mas chegará o dia e a hora em que nos sentaremos no sítio certo", disse o líder do clube da Luz.

Vieira garante estar sereno no que toca aos desenvolvimentos judiciais do caso, não temendo castigos para o Benfica.

"Nem pensamos nisso. Estamos serenos. Denunciámos o caso Apito Dourado. O que pedimos é que o caso seja rapidamente resolvido. A nossa gestão é transparente. Não queremos ganhar a qualquer preço, queremos ganhar limpo. Acha mesmo que um árbitro se deixa corromper por 300, 400 ou 500 euros?", questionou.

O presidente do Benfica falou ainda sobre as buscas da Polícia Judiciária, a 11 do corrente mês.

"Mal seria se não viessem cá. As portas estão abertas e faremos tudo para que a Justiça funcione. Queremos que seja célere e não seja protelada. É que ao mínimo resultado negativo lá vêm falar dos vouchers".

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.