Um ano após ter sido anunciado como treinador do FC Porto, André Villas-Boas já cumpriu a promessa de «vencer, deixar a sua marca no clube», com as vitórias na Liga portuguesa de futebol, Taça, Supertaça e Liga Europa.

«Sei o que pretendem de mim e sei como atingir esse sucesso», frisou Villas-Boas a 04 de Junho de 2010, quando foi apresentado oficialmente, dois dias depois de ter sido anunciado como técnico dos “azuis e brancos”, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Aos 33 anos, o treinador, sócio e adepto portista ambicionava «entrar para a história dos dragões», apesar de contar apenas no currículo, de técnico principal, com a passagem pela Académica, desde a oitava jornada do campeonato anterior.

A primeira conquista surgiu logo à primeira oportunidade, a 07 de Agosto de 2010, com o triunfo frente ao Benfica (2-0) na Supertaça, em Aveiro.
Uma semana depois, os dragões arrancaram para o campeonato, prova que cumpriram de forma imaculada, sem derrotas, contando apenas três empates, nas deslocações a Guimarães e Alvalade e na recepção ao Paços de Ferreira.

Tendo o Benfica como principal adversário, foi com a vitória por 2-1 no Estádio da Luz, em jogo da 25.ª jornada, a 03 de Abril, que os “azuis e brancos” garantiram o seu 25.º campeonato nacional.

Já André Villas-Boas tornava-se no segundo treinador mais novo de sempre a conquistar o título, um mês e quatro dias mais velho que Juca, treinador campeão pelo Sporting em 1961/62.

Até ao final do campeonato, só falhou, por culpa de um 3-3 com o Paços de Ferreira, o objectivo de igualar as 28 vitórias e dois empates do “onze” de Jimmy Hagan, em 1972/73.

Na Liga Europa, o título foi conseguido numa final 100 por cento luso, face aos “vizinhos” do Sporting de Braga (1-0), com Villas-Boas a tornou-se no mais jovem técnico a vencer uma prova europeia de clubes.

A finalizar, os dragões conquistaram a sua 16.ª Taça de Portugal, num fecho de época em beleza, com uma goleada “das antigas” ao Vitória de Guimarães (6-2).

Para atingirem o Jamor, o “onze” portista tinha logrado outro feito, um triunfo por 3-1 na Luz, na segunda “mão” das meias-finais, após uma derrota caseira por 2-0.

Os quatro troféus conquistados – só falhou a Taça da Liga, ganha pelo Benfica - na sua primeira época completa como treinador principal já colocaram Villas-Boas na «história dos dragões»: falhando apenas a Taça da Liga.

Depois de renovar contrato com os “dragões”, André Villas-Boas tem lugar garantido na “cadeira dos sonhos” até ao final da época 2012/2013 e na próxima época vai comandar o FC Porto em seis frentes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.