O treinador Vítor Oliveira mostrou-se hoje apreensivo com a distração dos futebolistas do Gil Vicente na retoma da I Liga, que pretende contrariar na visita ao Marítimo, na segunda-feira, em jogo da 27.ª jornada.

“Temos trabalhado muito, mas sem a concentração necessária para exteriorizarmos ao melhor nível as nossas capacidades. Atendendo às primeiras semanas de treino, esperávamos mais, mas estamos convencidos de que iremos normalizar. Temos de estar muito alerta, porque as surpresas no futebol sucedem-se com muita facilidade e são mais do que aquelas que conseguimos prever”, frisou o técnico, em conferência de imprensa.

Os minhotos reiniciaram o campeonato com derrotas frente ao Portimonense (1-0) e ao Famalicão (2-1), que expuseram “erros que normalmente não são cometidos” e “deixaram algumas dúvidas em termos de qualidade exibicional”, acelerando a busca por triunfos para consolidar a distância de 10 pontos mantida para a zona de despromoção.

“Creio que os jogadores têm tido alguma dificuldade em perceber a mensagem nesta fase. Passámos uma imagem completamente errada de que já estava tudo resolvido e não está. Até está difícil e temos de estar muito atentos, pois precisamos de melhores exibições para que essa margem seja suficiente para estarmos tranquilos”, observou.

Vítor Oliveira espera um plantel gilista “focado naquilo que é importante” para contrapor o “favoritismo atribuído, fundamentalmente e só, pelo ‘fator casa’” ao Marítimo, cujo ciclo de cinco rondas consecutivas sem vencer “não está de acordo com as exibições” e perspetiva “um duelo de dificuldade elevada, como são sempre os jogos na Madeira”.

“O Benfica também não vence há várias jornadas seguidas, é o campeão nacional e continua na luta pelo título. O Marítimo não vence há várias jornadas, mas isto não é definitivo e certamente irá conseguir vencer. Esperamos é que não seja neste jogo. Vamos esperançados em conseguir pontos, sabendo que nada está resolvido”, apontou.

Considerando que “há resultados muito imprevisíveis”, após quase três meses de paragem devido à pandemia de covid-19, Vítor Oliveira justificou a disparidade de entrosamento coletivo entre os 18 clubes com o “pouco tempo de preparação” até ao início de junho, aproveitando para reforçar o apelo à presença de público nos estádios.

“Os jogadores adaptaram-se rapidamente e terão de dar o seu máximo em qualquer circunstância, mas gostaríamos de ter público. O futebol é povo e gente nas bancadas, é apoio incondicional dos nossos adeptos e vaias dos adversários. Tudo isso é que constitui o futebol. O futebol por si só, dentro das quatro linhas, é pouco”, analisou.

O experiente treinador revelou que o avançado Rúben Ribeiro está apto para o encontro com os insulares e voltará a contar com o médio luso-francês Claude Gonçalves, que cumpriu um jogo de suspensão diante do Famalicão, enquanto os defesas brasileiros Rodrigo e Ygor Nogueira e Fernando Fonseca permanecem no boletim clínico.

O Gil Vicente, 10.º colocado, com os mesmos 30 pontos de Vitória de Setúbal e Belenenses SAD, desloca-se ao Marítimo, na 15.ª posição, com 25 pontos, cinco acima da zona de descida, na segunda-feira, às 19:00, no Estádio dos Barreiros, na partida de abertura da 27.ª jornada, que será arbitrada por João Bento, da associação de Santarém.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.