As sucessivas derrotas em casa foram provocando descontentamento na massa associativa e a contestação ao técnico já tinha sido evidente no jogo com o Portimonense, mas depois o empate em Fátima ainda deu algum espaço de manobra a Rui Quinta.

“A equipa precisa de reagir e de se tranquilizar, por isso conversei com o presidente e coloquei o lugar à disposição”, afirmou o técnico após a derrota de sábado, salientando ter trabalhado sempre de uma forma “séria e ambiciosa”.

O presidente do Gil Vicente, António Fiúza, sempre defendeu que o projecto da subida à Liga principal era para concretizar em dois anos e que Rui Quinta fazia parte dele, mas, perante o desperdício de 20 pontos em casa, reconheceu que a saída do treinador “era inevitável”.

António Fiúza salientou o grande carácter de Rui Quinta e referiu que agora vão seguir-se alguns dias de reflexão para a escolha do novo técnico.

Entre os sócios domina a opinião de que a escolha deveria recair em Jorge Casquilha, um antigo jogador com uma forte ligação ao clube e que está a realizar bom trabalho no Moreirense, actual líder destacado da Série A da II Divisão.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.